Notícia

Jornal Brasil

Pesquisadores brasileiros participaram de fórum científico em Kyoto

Publicado em 17 outubro 2015

Pesquisadores brasileiros apoiados pela FAPESP participaram, de 4 a 6 de outubro, em Kyoto, no Japão, da 12ª Reunião Anual do Science and Technology in Society Forum (STS Forum), organização internacional sem fins lucrativos que reúne lideranças científicas de diversos países, empresas de tecnologia, agências de fomento à pesquisa e formuladores de políticas públicas.

O evento reuniu cerca de mil participantes de 100 países. A FAPESP é membro associado do STS Forum e foi representada por Daniel Youssef Bargieri, do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da Universidade de São Paulo (USP). De acordo com o pesquisador, o encontro possibilitou a reflexão sobre a influência do conhecimento científico nas tomadas de decisão que impactam diretamente na sociedade.

“É preciso ampliar o diálogo entre a comunidade científica e aqueles que decidem sobre os rumos da sociedade e da humanidade como um todo. Isso começa com um diálogo mais amplo também entre os cientistas, e o STS Forum possibilita essa interação em proporções globais. Agora é preciso trazer essas reflexões para o âmbito local, tratando das nossas necessidades”, disse.

Bargieri é responsável pela pesquisa Biologia celular e genética molecular de hemoparasitas, realizada com recursos da FAPESP na modalidade de Apoio Jovens Pesquisadores.

Também participou das discussões Jayme Augusto de Souza-Neto, do Instituto de Biotecnologia (IBTEC) da Universidade Estadual Paulista (Unesp), responsável pelas pesquisas Caracterização dos mecanismos de ação anti-dengue mediados pela microbiota intestinal de populações naturais do mosquito Aedes aegypti e A lab system to study Plasmodium vivax transmission and interactions with the vector.

“A participação de jovens pesquisadores brasileiros em um evento global como o STS Forum mostra uma inserção do Brasil nessa comunidade que influencia as decisões da ciência para o futuro, discutindo como a pesquisa científica abordará os problemas da sociedade e da humanidade. Há uma preocupação muito grande da comunidade científica e tecnológica e de gestores sobre como abordar esses problemas existentes até hoje e não deixá-los para as próximas gerações”, disse o pesquisador, que representou a FAPESP na edição de 2014.

Statement

Parte da programação do STS Forum tratou de assuntos relacionados às pesquisas de Bargieri e Souza-Neto. O statementresultante do encontro destaca que “um novo sistema internacional é necessário para melhorar a colaboração entre países desenvolvidos e países em desenvolvimento e da Organização Mundial da Saúde (OMS) para a saúde global, especialmente para lidar com pandemias de doenças infecciosas”.

Entre os temas destacados pela programação também estavam questões relacionadas a energia e meio ambiente, em especial a busca por fontes renováveis de energia. O statement assinala que “a longo prazo, a queima de combustíveis fósseis vai exigir um custo ambiental inaceitável” e que “são necessárias diversas fontes de energia para garantir o fornecimento confiável e estável”, considerando ainda que “a energia nuclear deve continuar a ser uma opção importante, salvaguardadas as condições de segurança e de não proliferação”.

O documento salienta ainda a necessidade de se estabelecer um quadro internacional para mitigar de maneira eficaz as emissões de gases do efeito estufa, envolvendo todas as nações. “Esperamos que nossa mensagem seja refletida nas discussões durante a Conferência sobre Mudança Climática das Nações Unidas (COP21) em dezembro de 2015, em Paris”, conclui o documento.

Também mereceu destaque a inovação industrial impulsionada pelas novas tecnologias de produção, robótica, nanotecnologia e materiais, que, de acordo com o statement, “está desempenhando um papel vital em várias áreas, incluindo desenvolvimento de produtos, cuidados com a saúde e a vida urbana”.

Nesse contexto, a ciência básica foi evidenciada como “a melhor fonte de grande inovação, precisando ser apoiada por ambos os setores, público e privado”.

“Devemos nos esforçar para desenvolver uma coalizão que inclua academia, governo e indústria. Diretores de tecnologia devem tornar-se pontes entre empresas e universidades no desenvolvimento da ciência e da tecnologia para fomentar a inovação”, afirma o documento.

Participação das agências de fomento

Para Eduardo Moacyr Krieger, vice-presidente da FAPESP, que participou de edições anteriores do STS Forum, as agências de fomento à pesquisa desempenham papel importante nos objetivos assinalados pelo statement.

“A agenda do STS Forum cobre todos os assuntos de interesse global relacionados à ciência e que têm repercussão direta na sociedade. As agências têm um interesse imediato de participar dessas discussões porque muito do que é financiado em seus países de origem depende da colaboração com outros países, atuando em um contexto cada vez mais internacional. O mundo também tem um interesse especial no Brasil em diversas áreas tratadas pela programação, e a participação frequente da FAPESP no encontro reflete a importância em especial do Estado de São Paulo para a comunidade científica internacional”, afirmou Krieger.

A próxima edição da Reunião Anual do Fórum STS ocorrerá de 2 a 4 de outubro de 2016, também em Kyoto, no Japão.

Mais informações em www.stsforum.org.

Fonte Agência FAPESP