Notícia

MundoGeo

Pesquisadores analisam risco de desastres naturais em aterros de São Paulo

Publicado em 22 janeiro 2018

Estudo tem o intuito de informar aos órgãos fiscalizadores quais são os aterros que precisam de um maior monitoramento para mitigar os possíveis riscos ambientais, econômicos e sociais

Pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e da California Polytechnic State University nos EUA realizaram uma análise do risco de desastres naturais (escorregamento de terra e inundação) nos locais de disposição final de resíduos sólidos urbanos no estado de São Paulo.

Os pesquisadores utilizaram como base o mapeamento de perigo de escorregamento e inundação publicado pelo governo do estado de São Paulo em 2014, que se baseou na declividade, curvatura vertical, amplitude altimétrica, excedente hídrico, densidade de drenagem, e unidade geológica para determinar seis classes de perigo que vão do P0 onde o perigo é considerado nulo, até o P6 onde o perigo é considerado muito alto.

Para identificar os locais de disposição dos resíduos e a quantidade dos resíduos dispostos em cada aterro os autores utilizaram dados da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB) e finalmente para realizar a demarcação das áreas dos aterros foi utilizado imagens de sensores remotos de todo o estado de diferentes datas.

Para identificar o risco de desastres naturais foi realizada uma análise separada para cada um dos aterros levando em consideração tanto os perigos de escorregamento como de inundação. Os resultados demonstraram que ainda que a maioria dos aterros no estado de São Paulo estejam localizados nas classes mais baixas de perigo de escorregamentos e inundação, grande parte dos resíduos sólidos, mais da metade, cerca de 55% (21,3 mil toneladas por dia), ainda são dispostos em aterros localizados nas classes mais susceptíveis a estes perigos.

Este estudo pode ser uma ferramenta importante para o planejamento urbano, porque tem o intuito de informar aos órgãos fiscalizadores dos locais de disposição final dos resíduos sólidos no estado de São Paulo quais são os aterros que precisam de um maior monitoramento para mitigar os possíveis riscos ambientais, econômicos e sociais que podem ser causados pelos riscos de desastres naturais.

Os resultados com maior detalhamento podem ser encontrados neste artigo publicado no final de 2017 no Journal of Water Resource and Protection intitulado “Natural disaster risk in municipal solid waste disposal sites using GIS: a case study in São Paulo state, Brazil”.

Este estudo foi coordenado pelo pesquisador Victor Fernandez Nascimento do Centro Estadual de Pesquisas em Sensoriamento Remoto e Meteorologia da UFRGS e teve o apoio da FAPESP através do projeto n°13/09039-7, do projeto Nitrogen cycling in Latin America: Drivers, Impacts and Vulnerabilities project (CRN 3005), além de alunos de iniciação cientifica do INPE financiados pelo CNPq.

Geo nas Cidades

O uso de Geotecnologia nas Cidades Inteligentes será destaque no MundoGEO#Connect 2018, maior evento de Geo da América Latina que vai acontecer de 15 a 17 de maio em São Paulo (SP).