Notícia

Folha da Região (Araçatuba, SP)

Pesquisador cria método mais simples e barato para fabricar fibras ópticas

Publicado em 05 setembro 2020

Por Da redação

Um novo processo de fabricação de fibras ópticas especiais — muito mais simples, rápido e barato do que os tradicionais — foi desenvolvido pelo pesquisador Cristiano Cordeiro, professor do Instituto de Física da Universidade Estadual de Campinas (unicamp). O cientista criou o método durante estágio de pesquisa na University of Adelaide, na Austrália, apoiado por bolsa da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), em parceria com Heike Ebendorff-Heidepriem. Um artigo, assinado pelos dois e mais um colaborador, foi publicado no periódico Scientific Reports, do grupo Nature. “ O processo convencional necessita de um equipamento enorme e extremamente caro. E demanda quase uma semana de trabalho. Nosso processo pode ser realizado com um equipamento de bancada, no mínimo 100 vezes mais barato. E vai do grão de polímero à fibra microestruturada pronta em menos de uma hora. Com ele, muito mais pesquisadores e laboratórios estarão em condições de produzir suas próprias fibras ópticas ”, diz Cordeiro à Agência Fapesp. Em linhas gerais, o procedimento é semelhante ao método de extrusão utilizado na fabricação de macarrões: uma massa mole é pressionada e empurrada através de um molde; e o ade! e UNICAMP Cientista desenvolveu método durante estágio na Austrália fio, com sua estrutura interna, sai pela outra ponta. “ Evidentemente, tudo isso é feito com muito maior rigor e precisão ”, sublinha o pesquisador.

DADOS Centenas de milhões de quilômetros de fibras ópticas estão instaladas atualmente no planeta. E a quantidade de dados que transportam dobra aproximadamente a cada dois anos. Além de seu uso em comunicações, as fibras ópticas são empregadas também no sensoriamento remoto, possibilitando a monitoração de grandezas como temperatura, tração mecânica, pressão hidrostática e escoamento de fluidos. Devido à robustez e pequeno diâmetro, têm sido utilizadas com êxito em ambientes hostis e de difícil acesso. Daí a importância de inovar os métodos de fabricação. “ A produção convencional exige uma sequência de etapas e equipamentos de alta complexidade, como a torre de fabricação. É preciso, primeiro, criar uma versão macroscópica da fibra, com dois a dez centímetros de diâmetro. Essa estrutura é então aquecida e controladamente tracionada pela torre de fabricação ”, descreve Cordeiro. “ A massa se conserva, e O diâmetro diminui enquanto o comprimento aumenta. Nosso método simplifica e barateia enormemente o procedimento. Alimentado com grãos de polímero, o dispositivo que concebemos vai da matéria-prima ao produto final em uma única etapa ”, ressalta o cientista.