Notícia

UFSCar -Universidade Federal de São Carlos

Pesquisador analisa como a política da elite do século XIX modelou a sexualidade brasileira

Publicado em 01 setembro 2010

A relação entre Bentinho e Escobar foi o ângulo escolhido pelo sociólogo Richard Miskolci para analisar a obra Dom Casmurro, de Machado de Assis. A análise está presente na pesquisa "O Desejo da Nação", cujo objetivo é reconstituir historicamente e abordar sociologicamente como o desejo foi agenciado dentro do projeto de construção da nação brasileira, levado a cabo a partir da primeira república. A pesquisa está sendo desenvolvida por Richard Miskolci, professor do Departamento de Sociologia da UFSCar e coordenador do grupo de pesquisa Corpo, Identidades e Subjetivações.

O trio de personagens de Dom Casmurro, formado por Capitu, Bentinho e Escobar, ilustra o que Miskolci denomina de "heteronormatividade à brasileira". Bento só consegue assumir seu papel de marido e pai de família "escorado" em sua amizade-amor por Escobar. O professor explica que não se trata da exclusão do homoerotismo, mas de uma contenção e disciplinamento dentro de um triângulo amoroso que direciona os homens para relações heterossexuais reprodutivas.

O estudo utiliza-se de diversas fontes, como jornais da época, obras científicas e literárias, principalmente "O Ateneu", de Raul Pompéia, "Bom Crioulo", de Adolfo Caminha, e "Dom Casmurro", além de dialogar com a já vasta bibliografia sobre o desenvolvimento da nação no Brasil. "A análise é feita articulando documentos históricos recolhidos em incursões aos arquivos no Rio de Janeiro, a fortuna crítica já existente sobre o tema e também as obras literárias, em suma, não é uma análise a partir ou apenas por meio da literatura", explica o professor.

Ao usar como fontes não só os discursos literários, como também políticos e científicos, Miskolci pretende combinar reconstituição histórica e análise sociológica para compreender como interesses político-sociais levaram ao controle da sexualidade, notadamente da homossexualidade entre homens brancos da elite.

Não se trata de traçar uma história dos homossexuais ou da homossexualidade na sociedade brasileira. O pesquisador diz que seu objetivo é contar a história da formação do nosso ideal de nação em uma perspectiva subalterna, ou seja, uma história "dos outros": excluídos, abjetos, marginalizados por sua sexualidade não normativa. Seu levantamento busca encontrar, nas sombras, os desejos proscritos e impossíveis, os amores silenciados.

A pesquisa, que está em andamento, tem apoio da Fapesp e foi tema de uma matéria da Revista Fapesp do mês de agosto.