Notícia

Campo Grande Notícias

Pesquisa vai avaliar anticorpos para covid-19 em moradores do Acre

Publicado em 08 abril 2020

Duas mil pessoas serão acompanhadas para verificar quantas desenvolverão anticorpos e por quanto tempo ficarão imunes à doença

Moradores da cidade de Mâncio Lima, no Acre, serão acompanhados por pesquisadores do Instituto de Ciências Biomédica (ICB) USP para identificar quantos desenvolverão anticorpos contra a covid-19 e por quanto tempo ficarão imunes. O projeto Mapeando a disseminação de SARS-CoV-2: dimensão do surto, dinâmica de transmissão, desfechos clínicos da infecção e duração da resposta de anticorpos em uma pequena cidade amazônica foi um dos primeiros selecionados para a chamada da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) de combate à doença e deve ter início em junho. Ao todo, serão dois mil indivíduos monitorados que receberão a visita da equipe do professor Marcelo Urbano Ferreira (ICB) nos meses de setembro e outubro.

A pequena cidade de Mâncio Lima já está acostumada com as visitas semestrais do professor Ferreira. Há mais de dez anos, o pesquisador conduz estudos de campo na região para combater a malária, doença que afeta gravemente o município. Agora, a previsão é que a próxima visita aconteça para estudar o novo coronavírus.

A pesquisa terá inicio em junho mas os dois mil indivíduos receberão a visita da equipe do professor Marcelo Urbano (ICB) nos meses de setembro e outubro. 

Segundo Ferreira, a equipe realizará um estudo de soroconversão, algo que ainda não tinha sido feito para a covid-19. Os pesquisadores irão coletar e analisar amostras de sangue das pessoas para verificar quantos desenvolveram anticorpos desde a última vez em que elas foram visitadas, no final do ano passado. “Pessoas que tiveram a infecção desenvolvem anticorpos mesmo sem ter apresentado sintomas. Por meio dessa pesquisa, será possível calcular a proporção exata de casos assintomáticos, sintomáticos e graves do coronavírus na região”, explica. A análise permitirá também estimar quantas pessoas não se infectaram e estariam suscetíveis a um segundo surto.

Outra pergunta a ser respondida é por quanto tempo os anticorpos permanecem no organismo das pessoas infectadas, ou seja, durante quanto tempo a população infectada tem imunidade contra o SARS-CoV-2. Os pesquisadores ainda procuram saber se há diferenças no risco de infecção entre pessoas de diferentes idades, sexos e redes de interação social. Com questionários aplicados em pesquisas anteriores, o grupo já mapeou as redes de interação social entre os moradores do município, podendo avaliar a dinâmica de transmissão do vírus.

Até o momento, não foi notificado nenhum caso de covi-19 em Mâncio Lima, mas a doença já atingiu outros municípios do estado – que contabiliza 45 casos – e a cidade está se preparando, na medida do possível, para a entrada do vírus. O Vale do Alto Juruá, região onde fica localizada a cidade, possui 120 mil habitantes. “O hospital da região tem apenas 10 leitos de UTI, e a capital, Rio Branco, fica a 700 km. Se o vírus chegar lá com a mesma força que tem chegado em outros lugares do Brasil, será muito preocupante”, diz Ferreira.

O grupo pretende incluir no projeto a cidade de Acrelândia, que já apresenta oito casos e é considerada uma “porta de entrada” para doenças no Acre, uma vez que fica localizada perto da estrada e é o primeiro município para quem vem de Rondônia para o estado. Os casos graves de Acrelândia também precisam ser encaminhados para Rio Branco, pois não há leitos na cidade.

Aline Tavares/Acadêmica Agência de Comunicação