Notícia

Diário do Pará

Pesquisa sobre materiais biodegradáveis . Cientista brasileiro vence na Alemanha

Publicado em 03 dezembro 2020

Por Da redação

Motivo de orgulho para o Brasil, o doutorando em Engenharia Química da Unicamp, Filipe Vargas Ferreira, foi um dos vencedores do prêmio Green Talents 2020. Unico brasileiro entre os 25 premiados esse ano, Filipe concorreu com outros 589 candidatos de 87 paises. O foco da pesquisa do jovem cientista é o desenvolvimento de materiais poliméricos biodegradáveis com potencial para serem usados como embalagens e como implantes biomédicos.

Promovido pelo Ministério da Educação e Pesquisa da Alemanha, o programa Green Talents seleciona jovens talentos da ciência e confere visibilidade para pesquisas inovadoras em áreas que envolvem a sustentabilidade. “ O prêmio é o reconhecimento de um trabalho que venho desenvolvendo durantes alguns anos. Mais importante que isso, o prêmio Green Talents é o reconhecimento mundial de uma pesquisa de ponta desenvolvida em uma universidade pública brasileira ”, comemora Filipe.

Na Unicamp, a pesquisa é desenvolvida com orientação da professora Liliane Ferrar eso Lona, da Faculdade de Engenharia Quimica (FEQ) e tem financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e do European Research Council Fellowship. Conta ainda com a colaboração de pesquisadores e laboratórios parceiros da própria Unicamp e de outras instituições de ensino do Brasil, da França e da Finlândia. “ Os jurados do prêmio Green Talents destacaram a excelente pesquisa desenvolvida e sua abordagem interdisciplinar, unindo as ciências naturais aos aspectos sociais. De fato, esta interdisciplinaridade só foi possível pelos colaboradores que participaram desta pesquisa. E uma honra para a unicamp ver nosso aluno de doutorado representando o Brasil como um dos vencedores”, comenta a orientadora, professora Liliane Ferrareso Lona.

Pesquisa tem diferencial de preservar o meio ambiente A pesquisa desenvolvida por Filipe tem o diferencial de contribuir para a preservação do meio ambiente por meio da possibilidade de reduzir os resíduos sólidos que poluem o solo e os rios.

Ele trabalha com o desenvolvimento de polímeros biodegradáveis com propriedades melhoradas com potencial para substituir os polímeros convencionais, não-biodegradáveis, que são comumente chamados de plásticos. Segundo o doutorando, devido a sua versatilidade, esses plásticos estão presentes em diversas aplicações e, combinado com sua não-biodegradabilidade, tornam-se um grande problema ambiental ao serem descartados. Entretanto, explica que os plásticos biodegradáveis podem ser mais frágeis, além de terem o custo mais elevado, o que dificulta sua ampla utilização. “ Existe uma grande necessidade pelo desenvolvimento de materiais poliméricos biodegradáveis com desempenho aprimorado e preço reduzido para diferentes setores. No nosso projeto, nós usamos a celulose, polímero natural mais abundante da Terra, para desenvolver materiais poliméricos biodegradáveis de alto desempenho, mais baratos, devido a matéria prima utilizada, e com potencial para serem usados em diferentes aplicações, como por exemplo, na medicina regenerativa e como embalagens biodegradáveis ”, detalha Filipe. “ Abriu minha mente para novos desenvolvimentos na área ” Por conta da pandemia do coronavírus, neste ano as atividades do Fórum Científico Green Talents foram realizadas on-line.

O evento reúne os cientistas selecionados e possibilita a visita em instituições de pesquisa e de ensino da Alemanha e a troca de experiências entre os pesquisadores sobre seus projetos.Os 25 selecionados deste ano realizaram tours virtuais por instituições como a Universidade de Hamburgo, o Centro Helmholtz para Pesquisas Oceânicas Kiel, o Instituto Max Planck e o Instituto Potsdam para Pesquisas de Impacto Climático. “ Participar das atividades do Green Talents foi uma experiência muito importante. Tive contato com pesquisadores que trabalham com sustentabilidade, mas não necessariamente no desenvolvimento de novos materiais. Isto abriu minha mente para novos desenvolvimentos na área, e ampliou minha rede de colaboração ”, relata Filipe. (Com informações de Felipe Mateus- Jornal da unicamp edição Web)