Notícia

Gazeta de Piracicaba online

Pesquisa sobre as frutas nativas brasileiras

Publicado em 10 maio 2018

Há uma diversidade enorme de frutas nativas brasileiras que ainda são desconhecidas. Entre as 20 mais consumidas no País, apenas quatro são genuinamente nacionais: goiaba, maracujá, abacaxi e caju. Para apresentar esses verdadeiros tesouros naturais que fazem bem à saúde, o professor Severino Matias de Alencar, do Departamento de Agroindústria dos Alimentos e Nutrição da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq/USP), participará, na próxima segunda-feira (14), do 'Pint of Science'. O evento conta com o apoio da Gazeta de Piracicaba.

Os temas Tecnologia, Alimentação e Saúde serão abordados na pizzaria Babbo Piracicaba, a partir das 19h30. E, além de Severino, participarão o professor Luis Reynaldo Ferraciú Alleoni, que falará sobre 'Análise do Solo Para Muito Além da Agronomia', e Alexandre José Ferreira Diniz, que fará a palestra 'Aliens No Campo: Eles Vieram Para Nos Ajudar!', sobre o controle biológico de pragas. O tema da palestra do professor Severino Matias de Alencar será: 'Frutas Nativas: Tesouros Naturais da Mata Atlântica'.

"Estamos fazendo essa pesquisa desde 2011. Já identificamos 15 espécies de frutas, algumas tão boas como as tradicionais berries (frutas vermelhas) conhecidas no mundo, mas que ainda não têm uma produção comercial. Como aconteceu com o açaí, que passou a ser consumido mundialmente após os estudos científicos que mostraram que a fruta era excelente para a saúde, esperamos que o mesmo aconteça com as frutas nativas", afirmou.

O estudo foi feito por pesquisadores da Esalq/USP e da Faculdade de Odontologia de Piracicaba (FOP/Unicamp), com financiamentos da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). "Nós verificamos as composições química, fenólica e a atividade antioxidante das frutas. As equipes da FOP analisaram propriedades bioativas, como a anti-inflamatória. Começamos com as espécies da Mata Atlântica. A ideia é verificar também o cerrado", explicou.

Mercado

O professor avaliou que o mercado que mais cresce atualmente é o dos alimentos funcionais, em busca de um envelhecimento saudável. "Nossa biodiversidade é muito sub explorada. O mundo pede novos sabores e nós temos isso nas nossas matas", ressaltou.

Entre as frutas já identificadas, ele citou o cambuití-cipó (com sabor agridoce), murici vermelho, morango silvestre, fruta-do-sabiá, araçá-boi, camu-camu (da Amazônia, com alto teor de vitamina C) e cupuaçu. "Elas têm propriedades e excelentes atividades antioxidantes", disse.