Notícia

Folha de Pirituba

Pesquisa revela metais pesados em solos de Parques de Pirituba

Publicado em 24 julho 2009

Durante dois anos, de 2006 a 2008, a química Ana Maria Graciano Figueiredo, pesquisadora do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen), coletou e analisou amostras de solos urbanos em 14 parques da Cidade, entre eles, o Vila dos Remédios, Cidade de Toronto e Rodrigo Gáspari, nas regiões da Lapa e Pirituba. O estudo revelou que há teor de metais tem elevada presença de metais potencialmente tóxicos, como chumbo, cobre e arsénio nestes locais.

O material de análise foi recolhido em locais com maior frequência, como áreas de lazer, playground, áreas de práticas esportivas e de caminhada. "O foco da análise foi observar as concentrações de chumbo, cobre, cromo, zinco, cobalto, bário, arsénio e antimônio, por apresentarem riscos à saúde humana e serem os mais comumente encontrados em casos de contaminação de solos", afirmou a pesquisadora V à Agência Fapesp.

O estudo revelou que o nível de concentração de cromo nos parques Ibirapuera (121mg/kg), Aclimação (112), Luz (146), Buenos Aires (105) e Vila dos Remédios (103) -na Lapa - está acima do VP, que a Cetesb estabelece em 75 mg/kg.

Os valores de bário encontrados nos parques Toronto (875 mg/kg) e Rodrigo de Gáspari (936 mg/kg) - ambos na região de Pirituba - excedem os valores de referência da Holanda, onde possivelmente seria recomendada uma investigação.

Guarapiranga, Vila dos Remédios, Luz, Trianon e Aclimação estão com concentração de bário acima do Valor de Intervenção sugerido pela Cetesb.

Para a pesquisadora do Ipen, a influência da qualidade do solo na saúde de seres humanos tem sido" pouco estudada e mesmo subestimada. Segundo ela, a ingestão de solo aderido à pele ou aos dedos, inalação e absorção dérmica, os componentes minerais, químicos e biológicos dos solos podem ser prejudiciais à saúde. Um risco para crianças que brincam em parques contaminados.

A pesquisadora afirma que a ingestão de solo tem sido reconhecida como a mais importante fonte de contaminação por chumbo, especialmente por crianças, que são mais suscetíveis, que pode provocar o retardamento do desenvolvimento cognitivo e atividade intelectual prejudicada em crianças têm sido relacionados a exposição a esse metal.

Os resultados do estudo foram publicados em artigo no "Journal of Radionalytical and Nuclear Chemistry" em março e serão apresentados no Congresso Brasileiro de Geoquímica, em outubro, em Ouro Preto.

Com informações da Agência Fapesp