Notícia

Pauta Social

Pesquisa relata dificuldades no processo de formações de leitores

Publicado em 26 março 2014

As coleções de livros do Programa Nacional Biblioteca da Escola (PNBE) não atendem às peculiaridades pedagógicas da primeira infância (de zero a três anos) e os docentes e responsáveis pelas bibliotecas de instituições de ensino não estão aptos para realizar atividades de formação de leitores com crianças nessa idade. É o que afirma pesquisa coordenada por Cyntia Graziella Guizelim Simões Girotto. A pesquisa constata dificuldades no processo de formação do leitor e expõe a necessidade de se pensar na educação literária desde a mais tenra idade.

A pesquisa "Literatura e primeira infância: dois municípios em cena e o PNBE (Programa Nacional Biblioteca da Escola) na formação de crianças leitoras" foi realizada durante o período de 2011 a 2013 em instituições públicas de educação infantil das cidades de Marília e Presidente Prudente, Estado de São Paulo. A pesquisa contou com convênio da Fundação Maria Cecília Souto Vidigal (FMCSV) e o apoio de cooperação da Fundação de Amparo à Pesquisa de São Paulo (Fapesp).

De acordo com reportagem feita pela Agência Fapesp, a pesquisa constatou que 80% das instituições das cidades de Marilia e Presidente Prudente não usam o acervo recebido do PNBE, programa instituído pelo MEC em 1997. Para a pesquisadora Cyntia, esse dado é decorrente do despreparo da equipe de docentes e responsáveis pelas bibliotecas das instituições de ensino. De acordo com ela, além de ler e contar histórias, é preciso que as crianças tenham mais acesso ao livro para poder explorá-lo mais com as mãos e, assim, despertar o processo de formação como leitor. A coordenadora da pesquisa alerta que alguns educadores e mediadores de leitura acreditam que só o fato de contar histórias ou ler em voz alta seja o suficiente para se iniciar a formação do leitor.

Os pesquisadores do projeto pretendem, com base nos dados colhidos durante a pesquisa, criar uma proposta de formação de docentes e mediadores de leitura e um programa para as crianças com idade de 0 a 3 anos, que desenvolva atividades de leitura com o acervo concedido pela PNBE. Os pesquisadores também pretendem continuar os trabalhos nas instituições das cidades de Marília e Presidente Prudente, fazendo avaliações e desenvolvendo práticas de leituras com os professores das unidades de ensino. Para Cyntia, "As instituições de ensino infantil têm a responsabilidade de propiciar às crianças o contato com obras literárias da melhor qualidade, respeitando suas especificidades de desenvolvimento e sem subestimar sua capacidade intelectual".

Está previsto o lançamento de dois livros, frutos da pesquisa, no 18º Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino, que ocorrerá entre 11 e 14 de novembro em Fortaleza, Estado do Ceará. O primeiro livro discute a função do mediador da leitura e a criança como ouvinte, o título provisório é "Literatura e Primeira Infância I: da contação de histórias e da proferição". O segundo livro com título provisório "Literatura e educação infantil: tateios, experimentação e sentidos dos livros para/com os pequenos", abordará o desenvolvimento infantil e as especificidades dos livros voltados às crianças de 0 a 3 anos.

Empresa: Adital