Notícia

Jornal do Commercio Brasil (SP)

Pesquisa mostra uso excessivo de antibióticos em crianças

Publicado em 21 agosto 2007

Pesquisa feita por professores e alunos do curso de Farmácia da Universidade de Sorocaba mostrou que 30% dos antibióticos consumidos na cidade são ministrados em crianças de 0 a 10 anos. Indicou, ainda, que elas são submetidas a tratamento com antibióticos, em média, até quatro vezes por ano, quando o recomendado pela Sociedade Americana de Pediatria é que esse tipo de tratamento não passe de uma vez por ano. O estudo demonstrou que o uso de antibióticos poderia ser sido reduzido com a adoção de uma dieta mais rica em vitaminas B e C na alimentação das crianças.

O trabalho atraiu o interesse de pesquisadores científicos americanos e será apresentado na 47ª Conferência Internacional de Quimioterapia Antibacteriana, que será realizada no período de 17 a 20 de setembro, em Chicago (EUA). De acordo com o professor Fernando de Sá Del Fiol, pró-reitor de Extensão e Assuntos Comunitários da universidade, a pesquisa teve como finalidade detectar os hábitos de uso de antibióticos e o perfil das pessoas que se utilizam desse tipo de medicamento. "Foi o passo inicial para um trabalho que estamos desenvolvendo no sentido de orientar a população sobre o uso correto de medicamentos." Ele coordena o estudo juntamente com o professor Sílvio Barberato Filho, também da universidade.

Para o trabalho de campo, realizado em 2006 por bolsistas do programa de iniciação científica da Uniso, com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), foram escolhidas uma farmácia escola, uma farmácia comercial e uma unidade básica da rede pública de saúde. "Conseguimos, assim, ter uma boa amostragem dos pontos de captação de medicamentos pela média da população", explicou o pesquisador.

O levantamento foi feito com base na abordagem de pacientes que procuravam esses locais munidos de receitas médicas. As bolsistas Fernanda Salto, Vanessa Magalhães e Elizabete Maryule fizeram 403 entrevistas com os pais ou responsáveis pelas crianças. "Com isso, conseguimos determinar também as doenças que estavam sendo combatidas."

Também se concluiu que mais de 50% das crianças tinham sido tratadas com antibióticos de 2 a 4 vezes no ano. Segundo Del Fiol, a pesquisa forneceu o suporte para um trabalho mais amplo, com a finalidade de aumentar a informação da população e dos agentes de saúde sobre os cuidados na utilização de medicamentos. Com recursos do Conselho Nacional de Desenvolvimento e Pesquisa Tecnológica (CNPq), o grupo está confrontando o uso de antibióticos com os dados nutricionais do paciente.