Notícia

Portal Independente

Pesquisa internacional busca benefícios para a agropecuária

Publicado em 28 março 2019

Nesta semana em Presidente Prudente estão reunidos na Unoeste pesquisadores do Brasil e do Reino Unido. Desde terça-feira (26) estão sendo debatidos os resultados encontrados na atuação do Grupo Nucleus, os quais sinalizam para redução de custo na produção agropecuária e redução do impacto ambiental, mediante o uso de tecnologia. A cooperação internacional iniciada em 2016 busca eficiência do uso de nitrogênio em sistemas de produção agropecuária.

Na tarde de terça-feira aconteceu a abertura da programação, que prosseguiu durante a noite e ainda com atividades na manhã e tarde desta quarta-feira (27), num dos auditórios e em salas de aula da Pós-graduação, no campus II da universidade. Além disso, houve uma visita de alguns pesquisadores envolvidos no jornal O Imparcial.

Nessa quinta-feira (28) serão realizadas atividades de campo e atendimento à imprensa na Fazenda Experimental da Unoeste e depois, na Fazenda Campina, do agropecuarista Carlos Viacava. Das 8h30 às 11h30 será realizada na propriedade da universidade, em Presidente Bernardes; e durante a tarde, na fazenda no município de Caiuá.

Na sexta-feira (29), durante a manhã, será feito o balanço final do encontro, novamente na Unoeste, que é a única instituição particular do Brasil a fazer parte do Nucleus, representada pelo professor da graduação e pós-graduação Dr. Carlos Henrique dos Santos. No evento em Presidente Prudente estão envolvidos pró-reitores, coordenadores e demais professores.

Os pró-reitores de pesquisa, pós-graduação e extensão Dr. Adilson Eduardo Guelfi e acadêmico Dr. José Eduardo Creste estiveram presentes em diferentes momentos das atividades, assim como o coordenador da graduação e do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Agronomia, que oferece mestrado e doutorado, o coordenador Dr. Carlos Sérgio Tiritan e o vice-coordenador na pós, Dr. Fábio Rafael Echer. Tem também o envolvimento da Assessoria de Relações Interinstitucionais, pela assessora Adiane Mitidiero.

Pelo Reino Unido, fazem parte pesquisadores da rede Nottingham, centro de pesquisas Rothamsted e as universidades de Bangor e Aberdeen. O líder do grupo é O Dr. Sacha Mooney, da Nottingham; sendo que no Brasil a liderança é do Dr. Ciro Antônio Rosolem, da Unesp, em Botucatu. Além da Unoeste e da Unesp, os parceiros brasileiros são: Instituto Agronômico de Campinas (IAC), Instituto Federal Goiano, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) de Goiás, Universidade de São Paulo (USP), Universidade Estadual do Maranhão (Uema), Universidade Federal de Goiás (UFG) e Universidade Federal do Maranhão (UFMA).

A participação dos pesquisadores brasileiros ocorre com o aporte financeiro da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), Fundação de Amparo à Pesquisa e Desenvolvimento Científico do Maranhão (Fapema) e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (Fapeg). Ao longo dos últimos três anos, os pesquisadores tiveram encontros pontuais e presenciais no Brasil e no Reino Unido, mas se mantiveram o tempo todo interligados pelo Nucleus; grupo virtual criado para os estudos científicos que buscam melhoria da eficiência do uso de nitrogênio em cultivos consorciados de pastagens e grãos.