Notícia

Brasil Econômico

Pesquisa faz geladeira gerar água quente

Publicado em 29 abril 2011

Por João Paulo Freitas

O calor dissipado pelas geladeiras em seu processo de resfriamento não precisa mais ser totalmente desperdiçado. Graças ao trabalho de um grupo de pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (Unesp), de Bauru, no interior paulista, parte dele poderá, em breve, ser utilizada para aquecer água dos chuveiros e pias, ajudando a reduzir a conta mensal de luz.

Os cientistas desenvolveram um sistema que, até o momento, consegue aproveitar cerca de 40% da energia elétrica consumida por um refrigerador para gerar água quente sem prejudicar o desempenho do eletrodoméstico. De acordo com Alcides Padilha, professor titular do departamento de Engenharia Mecânica da instituição e coordenador do grupo, a tecnologia geraria uma economia de cerca de R$ 12 na conta mensal de luz se instalada em uma residência. O trabalho já deu origem a três dissertações de mestrado e artigos científicos publicados em revistas internacionais.

Padilha teve a ideia de iniciar a pesquisa por causa do hábito que algumas pessoas têm de pendurar roupas atrás da geladeira para secá-las. O problema é que essa prática prejudica o desempenho do eletrodoméstico ao impedir que o gás que passa por seu condensador - aquele conjunto de tubos que fica na parte traseira do aparelho - transfira calor para o meio ambiente, etapa fundamental do funcionamento de qualquer refrigerador.

Apesar de prejudicar o funcionamento das geladeiras, o desejo de aproveitar o calor do eletrodoméstico faz sentido. Para resolver esse impasse, Padilha recorreu à engenharia. No sistema criado pelo grupo, após sair do compressor, o gás presente no refrigerador passa por uma peça chamada trocador de calor. "Nele, o gás superaquecido passa por dentro de um tubinho por fora do qual escoa água. O calor sai do gás e passa para o líquido", explica.

Aquecida, a água segue para o tanque de armazenamento térmico de 122 litros. Segundo- Padilha, o volume equivale a seis banhos rápidos, de cinco minutos. O aquecimento de toda a água leva 24 horas e a temperatura atingida é de 35 °C. "Com esse experimento, o que estamos fazendo é reciclar energia. Ao invés de a dona de casa colocar uma torneira elétrica na cozinha, poderá economizar utilizando essa água".

Segundo o acadêmico, o sistema não prejudica o funcionamento do refrigerador nem diminui a vida útil de seu compressor. "Temos observado que o refrigerador continua operando normalmente, mesmo em condições extremas durante os testes", observa. Isso ocorre porque a água rouba o calor do gás. "Quando você pega uma geladeira não modificada e pendura uma toalha no condensador, isso dificulta a transferência de calor para o ar. O gás não consegue condensar e a geladeira começa a gastar mais energia", diz. Além disso, no sistema criado pelos pesquisadores da Unesp, não é necessário bombear água pelo reservatório. A água circula por diferença de densidade: ela fica menos densa quando quente e sobe, o que faz com que a água fria ocupe o espaço deixado dentro do armazenador. Isso faz o líquido circular pelo sistema.

O reaproveitamento de 40% da energia consumida é considerado muito bom, mas o grupo quer avançar. "Acredito que seja possível recuperar ainda mais energia. É o que estamos tentando fazer", diz Padilha. Ele acredita que é possível elevar esse índice de aproveitamento para até 80%. Para aperfeiçoar a tecnologia, o acadêmico pretende agora pleitear recursos de agências de financiamento, como a Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), que poderiam ajudar na aquisição de equipamentos de medição avançados, necessários à melhora do sistema.

Padilha também já cogita estabelecer parcerias com empresas. "Imagina se eu conecto esse sistema em uma câmera fria de uma indústria, que tem uma carga térmica muito grande. Daria para aquecer água para uma turbina industrial."

ENERGIA RECICLADA

40%

é quanto da energia gasta por um refrigerador o sistema desenvolvido pelo professor Alcides Padilha, da Unesp, consegue reaproveitar em forma de água aquecida.

DUCHA GRÁTIS

122 litros

Volume do tanque de armazenamento usado pelo pesquisador. É o equivalente a seis banhos de cinco minutos. É preciso um dia para preencher o recipiente com água quente.

CONTA MENOR

R$ 12

é o tamanho da economia de energia que a instalação do sistema provocaria na conta mensal de energia de uma residência, de acordo com os cálculos do pesquisador.

CONTEXTO

1 - Uma área a ser melhor explorada

Apesar da atual preocupação com o meio ambiente e o melhor aproveitamentos de qualquer tipo de energia, Padilha diz que não encontrou, em publicações acadêmicas internacionais, referências a um sistema similar ao que ele desenvolveu em seu grupo de pesquisa. "Com essa proposta não há nada", assegura.

2 - Resultados primeiro, divulgação depois

Padilha diz que ainda não há empresas envolvidas na pesquisa porque o grupo não se preocupou em fazer uma divulgação ampla dos resultados obtidos. "A cada mestrado descobrimos algo, avançamos. Não adianta apenas divulgar uma ideia. É preciso verificar se ela funciona."