Notícia

Voz da Bahia

Pesquisa estuda uso de célula camaleão na recuperação do coração

Publicado em 08 novembro 2015

Um projeto que estuda o uso de células capazes de se transformar em diferentes tecidos para a recuperação do músculo cardíaco de pacientes que enfartaram foi o primeiro selecionado para receber um incentivo da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) por meio de uma nova parceria firmada entre a entidade e a MedImmune, unidade de pesquisa do laboratório AstraZeneca.

O acordo prevê o repasse de até US$ 2,4 milhões para projetos que serão conduzidos por até 36 meses.

“A gente fica muito feliz, porque isso faz parte da vida do pesquisador. O ambiente de pesquisa é competitivo. É muito importante que as pesquisas sejam financiadas. Isso aumenta o nosso conhecimento e as empresas estão percebendo que vale a pena investir em pessoas curiosas”, afirma o autor da proposta vencedora, o pesquisador do Instituto do Coração da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (Incor-USP José Eduardo Krieger.

A curiosidade de Krieger o levou, ao lado de sua equipe, a combinar diversos conhecimentos da área de cardiologia e sobre as células pluripotentes induzidas - aquelas que se transformam em qualquer órgão - para tentar resolver um drama dos pacientes que enfartam: a destruição do tecido cardíaco, que pode levar a pessoa a precisar de um transplante.

“Seria ótimo pegar essas células para reconstrução cardíaca. Há uma dificuldade muito grande de regeneração do coração e do sistema nervoso.”

Camaleão

Em laboratório, o pesquisador já consegue levar células da pele a um estágio que ele chama de “célula camaleão”, que é capaz de se comportar como uma célula cardíaca. “Ela até bate como o músculo cardíaco. O desafio é pegar essas células, que podem ser originadas do próprio paciente, e criá-las em grande quantidade. Também precisamos definir como usar no paciente, para que as células façam as conexões adequadas com o músculo.”

Krieger acredita que, no prazo estipulado pelo edital, pode ser possível dominar a técnica para detectar o exato instante em que as células podem ser inseridas nos pacientes.

Segundo o presidente da Fapesp, José Goldemberg, a parceria prevê a contemplação de outros projetos até 2020. “Vamos lançar chamadas periódicas e identificar os pesquisadores criativos”, disse.

(Correio)