Notícia

MCTIC - Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações

Pesquisa do LNBio identifica interação molecular inédita

Publicado em 24 agosto 2015

Interação molecular inédita entre ácidos graxos e a proteína HIF3α – fator de transcrição parte de família de proteínas que regula a expressão de mais de 150 genes humanos, muitos deles ligados à progressão do câncer – é tema de artigo publicado neste mês na revista científica Scientific Reports, uma publicação do grupo Nature.

"Revelamos que ácidos graxos e HIF-3α interagem fortemente por meio de um inédito bolso de ligação. Este ponto de contato pode ser uma chave, capaz de ‘ligar' e ‘desligar' a proteína", detalha o pesquisador Andre L. B. Ambrosio, do Laboratório Nacional de Biociências (LNBio), um dos autores do artigo. "Em 20 anos de estudos sobre esta família de proteínas, é a primeira vez que uma molécula pequena e que ocorre naturalmente no ambiente celular parece regular a HIF de maneira não covalente – uma forma mais dinâmica de modular sua atividade."

A descoberta, realizada no LNBio, com a participação de pesquisadoras do Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE) e apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), amplia os conhecimentos sobre a estrutura molecular da HIF-3α e introduz perspectivas inéditas sobre sua ação no contexto celular. No futuro, estima-se que a modulação de HIF poderá alterar significativamente o curso clínico de doenças, como câncer e doenças cardiovasculares.

"HIF é uma das principais classes de proteínas reguladoras da expressão de genes humanos. Identificar exatamente a frente de ação da HIF que dependa de ácidos graxos é difícil, pois estas proteínas podem ativar ou responder a muitas reações em cadeia, as chamadas cascatas bioquímicas", explica Ambrosio. "Ainda assim, existe um consenso de que essas moléculas são extremamente importantes para adaptação e sobrevivência das células em ambientes deficientes de nutrientes e oxigênio – situações observadas no câncer e em doenças cardiovasculares."

Três tipos de HIF são conhecidos: HIF1, HIF2 e HIF3. A pesquisa do LNBio voltou-se para a HIF3α, molécula menos conhecida e mais complexa, com três variáveis conhecidas e outras três preditas em humanos. O trabalho focou um domínio comum às seis isoformas de HIF3. Trata-se de uma "parte" da molécula utilizada para a formação de espécies maiores, onde uma HIF se liga a outra para formar dímeros. Esse domínio também está relacionado à ligação de correguladores – moléculas que podem mediar a atividade de HIF3.

Descoberta inusitada

Sem qualquer tipo de informação sobre esse domínio registrado na literatura científica, os pesquisadores de Campinas (SP) começaram a investigar a sua estrutura molecular. Supreendentemente, ao isolarem a proteína, notaram, por meio de métodos de cristalografia por difração de raios X, um ácido graxo de 18 carbonos e insaturado ligado ao domínio tema de estudo.

Dada a maneira como este ácido graxo se liga à HIF3α, há evidências de que essa molécula regula a proteína. A questão é saber se se trata de uma regulação positiva ou negativa. Leia mais.

Fonte: LNBio