Notícia

JC e-mail

Pesquisa aponta que quase 40% da população demonstra pouco interesse por assuntos de C&T por não entender do que se trata

Publicado em 26 abril 2007

Quase 40% da população demonstra pouco interesse por assuntos de ciência e tecnologia por não entenderem do que se trata

Essa é uma das constatações da pesquisa Percepção Pública da C&T divulgada, na manhã desta quarta-feira, pelo ministro da C&T, Sergio Rezende, e por Ildeu de Castro Moreira, coordenador do Departamento de Popularização e Difusão da C&T (DEPDI), da Secretaria de C&T para Inclusão Social (Secis) do MCT.
Entre os 2004 entrevistados, 1.161 se declararam pouco ou com nenhum interesse em ciência e tecnologia. Desse universo, 37% responderam que a falta de interesse se dá pelo fato de não entenderem o assunto.
"Isso é um recado para nós [do setor de C&T]. Tudo está diretamente relacionado com a educação científica", disse Ildeu. Em quarto lugar, com 14%, os não ou nada interessados em C&T disseram que o motivo é que não gostam do assunto.
"Se tivessem uma educação de melhor qualidade poderiam gostar", lamentou o coordenador.
Uma das questões da pesquisa ressaltada por Ildeu foi se o entrevistado já havia ido a algum dos locais ou acontecimentos públicos relacionados à ciência e tecnologia, listados no questionário.
Do total da amostra de 2004 entrevistas, 52% não visitaram nenhum local; 28% visitaram jardim zoológico, jardim botânico ou parque ambiental; 25%, biblioteca pública; 13%, feira de ciências ou olimpíadas de ciências ou de matemática; 12%, museu de arte; 4%, museu de ciência e tecnologia ou centro de C&T; e, apenas, 3% participaram das atividades da Semana Nacional de C&T.
"Na Europa, isso [visitas à lugares de C&T] é bem maior, pois acham esse locais divertidos, ou seja, os nossos [museus, feiras, eventos] têm que ser mais divertidos e mais interativos".
Os 1.919 que responderam que não visitaram museu ou centro de ciência e tecnologia, ao serem perguntados o motivo, responderam: "eles não existem na minha região" — 35%; e "não tem tempo para ir" — 31%; e "não está interessado" — 22%.
Ildeu de Castro ressaltou os dados apontando regiões como a Norte, onde muitos dependem de barcos e de transportes precários para se locomoverem. "Longe, no Brasil, pode significar 500 km, 600 km ou mais [para ter acesso a esse tipo de local]".
Do total da amostra de 2004 entrevistas, 27% apontaram que os jornalistas são os que inspiram maior confiança como fonte de informação.
Logo em seguida vêm os médicos com 24%; cientistas que trabalham em universidades com 17%; religiosos, 13%; representantes de organizações de defesa do consumidor com 7%; cientistas que trabalham em empresas, 4%; escritores, 3%; militares, 3%; políticos, 1%.
Os que não responderam foram 2%. Ildeu de Castro ressaltou que, na Europa, os jornalistas não detêm uma confiança tão grande da população. Já o ministro da C&T, Sergio Rezende, destacou a importância e a responsabilidade que os jornalistas têm para com a sociedade.

Pesquisa
O objetivo principal da pesquisa foi realizar o levantamento do interesse, grau de informação, atitudes, visões e conhecimento que os brasileiros têm da ciência e da tecnologia.
Foram entrevistadas 2.004 pessoas, de 16 Estados brasileiros. Do total, 854 pessoas da região Sudeste; 557 da região Nordeste; 293 do Sul; 155 da região Centro-Oeste; e 145 do Norte.
A população entrevistada foi de homens e mulheres com idade igual ou superior a 16 anos. As entrevistas domiciliares e pessoais foram realizadas no período de 25 de novembro a 9 de dezembro de 2006.
A amostra representativa da população utilizada na pesquisa tomou por base os dados do Instituto Nacional de Geografia e Estatística (IBGE). A margem de erro da pesquisa é de 2,2% para mais ou para menos.
A iniciativa foi promovida pelo MCT, com a parceria da Academia Brasileira de Ciências (ABC), coordenada pelo DPDI/Secis/MCT e pelo Museu da Vida/COC/Fiocruz, com colaboração do Labjor/Unicamp e da Fapesp.
A pesquisa foi executada pela CDN Estudos & Pesquisa. Os resultados podem ser conferidos em: http://www.mct.gov.br/index.php/content/view/50877.html
Essa é a segunda pesquisa realizada neste sentido num período de 20 anos. A primeira e, até então, única havia sido realizada em 1987 com nome "O que o Brasileiro pensa da C&T". Essa pesquisa de 1987 também está disponível no site do MCT em: http://www.mct.gov.br/index.php/content/view/51216.html

(Fabiana Santos para o Gestão C&T online)
(Gestão CT, 597)