Notícia

F5 News

Pesquisa aponta que Plano Diretor de Aracaju ignora transporte público

Publicado em 10 novembro 2021

Agência Aracaju

O novo Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano (PDDU) de Aracaju ignora o transporte público e segue no sentido oposto ao do necessário desestímulo ao uso de carros. É o que aponta a 15ª Nota Técnica “Polícias Públicas, Cidades e Desigualdades” do Centro de Estudos da Metrópole (CEM), ligado ao Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Cepid/Fapesp).

Conforme a pesquisa, que é assinada pelo doutorando em Engenharia de Transportes Matheus Barboza, pesquisador do CEM, entre os pontos críticos do novo PDDU apresentado pela Prefeitura de Aracaju, a questão do transporte público é a mais preocupante e precisa ser revista. Segundo Barboza, o plano, que deveria focar em uma cidade mais sustentável, na verdade se preocupa mais em aumentar a malha viária, bem como os estacionamentos para veículos.

“É muito claro que o plano está olhando muito para a questão do viário. Ele busca privilegiar isso. Ele está olhando para como melhorar as condições de circulação dos carros, mas ele esquece que isso acaba piorando a circulação de ônibus, bicicletas e pedestres. A própria estrutura dos itens traz coisas específicas sobre hierarquia viária, muitas páginas sobre isso, mas não fala sobre bicicletas e pedestres”, disse Barboza ao F5News.

Ainda conforme o pesquisador, no mapa da hierarquia viária apresentado no plano não foram incluídos corredores de ônibus, o que prova que o transporte público foi ignorado no projeto da cidade.

“O transporte público serve como um estruturante do terreno da cidade e carrega muito mais pessoas. Seguindo essa lógica, é fundamental que no Plano Diretor da Cidade se olhe para onde estão os eixos do transporte coletivo. Mas não tem nada sobre isso no mapa, o que é um ponto crítico, e a gente sugere que seja revisto”, disse Matheus.

Ainda segundo ele, o objetivo da análise do CEM é auxiliar a construção do Plano Diretor da capital, que ainda vai passar pela Câmara Municipal de Aracaju (CMA). “Esperamos poder contribuir para levar esse conhecimento. Lançamos a nota pública oficialmente e esperamos influir, chamar atenção, levantar o debate”, afirma.

A Prefeitura de Aracaju se posicionou sobre a análise do CEM ao ser procurada por F5News. Segundo a Comunicação da gestão, não procede a análise de que o plano propõe medidas que estimulam o uso do carro, enquanto ignoram o transporte público.

“Uma inovação proposta pela gestão municipal no âmbito da revisão do Plano Diretor da cidade é a inclusão de uma seção específica no capítulo relativo ao sistema viário e à mobilidade urbana para tratar sobre a circulação de bicicletas, haja vista que o novo PDDU propõe assegurar a circulação dos diversos tipos de modais de deslocamento, priorizando, contudo, os transportes coletivos e os não motorizados”, justifica.

Ainda conforme a Comunicação da Prefeitura de Aracaju, a minuta do plano prevê o desenvolvimento de um Plano Municipal Cicloviário, que elencará as ações voltadas à implantação da Polícia Municipal de Circulação de Bicicletas, cujo referencial são as diretrizes definidas no PDDU.

“A Prefeitura de Aracaju entende a importância do incentivo a outros modais para a melhoria da mobilidade e também do meio ambiente. Os corredores de mobilidade, por exemplo, foram construídos para priorizar os ônibus do transporte coletivo. Com as faixas exclusivas dos corredores, a expectativa é reduzir em 20% o tempo de viagens dos ônibus, estimulando assim a população a utilizar o coletivo para se deslocar", diz a Prefeitura em nota enviada ao F5News.

"Outro ponto que vale destaque são as ciclovias da cidade. A Prefeitura fez, recentemente, a manutenção das ciclovias das avenidas Beira Mar e Tancredo Neves. E no corredor de mobilidade Augusto Franco foi construída uma nova ciclovia. Além disso, as novas obras executadas pela Prefeitura e entregues à população, têm em sua maioria ciclovia ou ciclofaixa, a exemplo da obra de infraestrutura da avenida Caçula Barreto, no Augusto Franco, do Canal Beira Mar e Canal do 17 de Março, entre outras”, conclui a Prefeitura na nota.