Notícia

Rádio Nacional da Amazônia

Pesquisa analisa possibilidade de armazenamento de gás carbono para diminuir o efeito estufa

Publicado em 27 agosto 2018

Nesta segunda-feira (27), o Brasil Rural conversa com o diretor do Instituto de Energias e Ambientes da Universidade de São Paulo (USP) e professor, Colombo Celso Gaeta Tassinari, que coordena uma pesquisa sobre armazenamento de gases poluentes, principalmente o gás carbono.

Segundo o professor, as grandes empresas, principalmente as do setor petrolífero e de geração de eletricidade tem uma preocupação ambiental muito grande. Uma das formas de auxiliar essas empresas na questão ambiental seria diminuir a emissão dos gases que produzem o efeito estufa. O mais importante desses gases é o dióxido de carbono. Uma das possíveis soluções para a diminuição da emissão do carbono é seu armazenamento, impedindo que ele passe para a atmosfera.

A pesquisa realizada pela USP estuda o armazenamento do carbono em formações rochosas. O estudo está sendo realizado nas regiões sul e sudeste, que são os locais onde mais se emite CO2 no Brasil e tem forte concentração de indústrias, incluindo a exploração de petróleo e as usinas termoelétricas.

“O que difere nosso projeto de outros que já ocorreram é primeiro é o caráter multidisciplinar desse projeto, que envolve a parte tecnológica de Geologia, de estudo das rochas e análise dessas rochas; envolve estudo de viabilidade econômica; e envolve também estudo de impactos socioambientais, ou seja, que tipo de impacto poderia produzir na vida das pessoas ou no ambiente armazenando o carbono nas rochas dessa região", explica o professor.

O coordenador da pesquisa explica ainda que a outra particularidade do projeto é o tipo de rocha que é estudado. De acordo com ele, hoje em dia já é bastante usada no mundo a estocagem de carbono nas rochas reservatórias de petróleo, ou seja, as pessoas retiram o petróleo e depois utilizam essas mesmas rochas para armazenar o carbono. O trabalho dos pesquisadores nesta pesquisa da USP é focado em uma rocha que está sendo conhecida melhor agora, que se chama folhelho negro, uma rocha sedimentar folhada, muito rica em matéria orgânica.

Brasil Rural vai ao ar, de segunda a sexta-feira, às 5h, pelas rádios Nacional AM BrasíliaNacional AM Rio; sábado, às 5h, pela Rádio Nacional do Alto Solimões e, às 7h, pelas rádios Nacional AM BrasíliaNacional da Amazônia.

Entrevista completa no link abaixo: