Notícia

Agência USP de Notícias

Periódico da FOB é indexado pela Medline e reflete destaque internacional da faculdade em pesquisa

Publicado em 17 novembro 2008

Por Luiza Caires / USP Online

A revista Journal of Applied Oral Science, da Faculdade da Odontologia de Bauru (FOB) da USP acaba de ser indexada na base de dados internacional Medline. “Após a sua inserção no Scielo e na Web of Knowledge, a inclusão na Medline foi o último degrau a ser alcançado e que vai aumentar a visibilidade internacional da revista. Com isso, os artigos publicados poderão ser acessados via PubMed [serviço da Biblioteca Nacional de Medicina, dos EUA]. Toda essa conquista somente foi possível a partir de um trabalho de vários anos mantendo a revista com periodicidade regular, um corpo editorial qualificado e artigos de alto nível. Então hoje temos uma revista de odontologia – que não é uma coisa fácil de se manter – de primeiro mundo”, comemora o diretor da FOB, professor Luiz Fernando Pegoraro.

A partir de 2003, a revista passou a receber somente artigos em língua inglesa. E, seguindo as regras destas bases e índices de qualificação de periódicos, apenas de 20 a 30% dos artigos publicados são de autoria de pesquisadores locais, sendo o restante proveniente das melhores universidades do Brasil e do exterior. A maioria dos pareceristas – que selecionam o que vai ser publicado – também são pesquisadores estrangeiros. Eles avaliam o mérito dos trabalhos, sua redação, gráficos, enfim, “todos os seus pormenores”.

A Medline é uma base de dados da literatura internacional da área médica e biomédica, produzida pela National Library of Medicine (NLM), dos Estados Unidos, e que contém referências bibliográficas e resumos de mais de 4.500 títulos de revistas publicadas em mais de 70 países. Contém aproximadamente 11 milhões de registros da literatura desde 1966 até o momento, que cobrem as áreas de medicina, biomedicina, enfermagem, odontologia, veterinária e ciências afins. A atualização da base de dados é mensal.

O reconhecimento internacional da revista produzida na unidade reflete o crescimento da importância que a FOB tem dado à pesquisa científica. Entre as áreas de destaque investigadas, Pegoraro cita os trabalhos clínicos; as pesquisas básicas, como regeneração tecidual, trabalhando inclusive com células-tronco; e o campo da prevenção – tudo isso incluindo parcerias com universidades internacionais, especialmente as norte-americanas. “Bauru também está se tornando um centro importante de aplicação de laser no tratamento de uma série de patologias”, acrescenta.

Professor Luiz Fernando Pegoraro

Além disso, há no campus um pólo da Agência USP de Inovação, e tem crescido bastante a demanda pelo registro de patentes a partir do desenvolvimento de técnicas, produtos e protocolos de atendimento pelos pesquisadores da faculdade. “Anteriormente achavamos que o problema para requerer patentes era o grau de dificuldade [do processo], mas hoje sabemos que o principal entrave era a pequena importância que se atribuía à divulgação. Na USP às vezes se trabalha tanto que se esquece de divulgar o que é produzido. Por diversos motivos, é essencial que a universidade se mostre para sociedade”, reflete o professor.

Sobre as pesquisas básicas, o diretor explica que a odontologia é uma especialidade em que os procedimentos realizados em todas áreas clínicas são basicamente técnicos. Entretanto, antes de poder realizá-los, é necessário que o dentista tenha um conhecimento aprofundado de como funciona o organismo do paciente como um todo. “É preciso saber como funciona a polpa do dente, o tecido gengival, o estado geral de saúde do paciente, que tipo de anestesia aplicar, qual o medicamento a ser prescrito, por exemplo”, explica Pegoraro.

Journal of Applied Oral Science: reconhecimento

A FOB mantém oito programas de pós-graduação, nos níveis de mestrado e doutorado, envolvendo todas as áreas de conhecimento da Odontologia e da Fonoaudiologia. Os docentes e alunos do programa têm se destacado em prêmios internacionais. Neste ano, a aluna Juliane Guimarães de Carvalho recebeu um prêmio oferecido pela Colgate para pesquisas envolvendo prevenção - foi o único nome do continente a ser contemplado. E a professora Marília Afonso Rabelo Buzalaf, chefe do Departamento de Ciências Biológicas da FOB, foi considerada nada menos do que a “Melhor Pesquisadora do Mundo em Cariologia” pela Associação Internacional de Pesquisa Odontológica (IADR, sigla em inglês).

Outra medida que mostra a qualificação da FOB é a capacidade de captação de recursos de seus docentes junto às agências de fomento. “Do ano passado para este ano, por exemplo, tivemos na unidade uma elevação de 100% nos financiamentos obtidos junto à Fapesp [Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo”) e CNPq [Conselho Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico], afirma Pegoraro.