Notícia

Panorama Farmacêutico

Pele 3D criada em laboratório permite avaliar segurança de cosméticos

Publicado em 08 outubro 2020

Por Agência São Paulo

Uma plataforma baseada em pele tridimensional (3D) desenvolvida pela startup Eleve Science, incubada no Supera Parque de Inovação e Tecnologia de Ribeirão Preto, pode ajudar a indústria de cosméticos a realizar testes de avaliação da eficácia e segurança de fotoprotetores e produtos antienvelhecimento em condições muito próximas da realidade e eliminar o uso de animais.

Criada por meio de um projeto apoiado pelo Programa Fapesp Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (Pipe), da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, a plataforma é composta por uma estrutura de, aproximadamente, dois centímetros de diâmetro onde células derivadas de tecidos humanos crescem camada sobre camada, formando um modelo de pele em escala tridimensional.

“O modelo de pele criado é completo, ou seja, composto pelas duas principais camadas do órgão, que são a derme e a epiderme, e com melanócitos [células produtoras de melanina, responsáveis pela pigmentação da pele]. Isso possibilita avaliar os efeitos da exposição solar na pele em condições muito similares às reais”, diz Ana Luiza Forte, pesquisadora responsável pelo projeto, ao boletim Pesquisa para Inovação, da Fapesp.

De acordo com a pesquisadora, a maioria das metodologias utilizadas para avaliar a eficácia de filtros solares disponíveis atualmente não permite detectar todos os danos que a radiação solar causa sobre as diferentes camadas da pele e, principalmente, as alterações biológicas em nível de DNA ou produção de radicais livres.

Fonte: Nova Mais