Notícia

Inovação Unicamp

P&D em Energia

Publicado em 01 dezembro 2008

Stephen Long, diretor adjunto do Energy Biosciences Institute (EBI), novo centro de pesquisas em energia renovável nos Estados Unidos, apresentou em São Paulo, no dia 17 de novembro, a palestra "Realizing cellulosic biofuels and benefiting the environment".

Na ocasião, ele detalhou a pesquisa que o EBI vem fazendo com uma gramínea chamada miscanto, comum em regiões de clima subtropical na Ásia e na África. O EBI tem apoio da BP, gigante do setor energético, da qual receberá US$ 500 milhões em dez anos. Seus focos são pesquisa básica e pesquisa biológica aplicada para geração de fontes de energia alternativas às fósseis.

O Miscanthus sacchariflorus pode chegar a quatro metros de altura em menos de um ano e tem potencial para render cerca de 11 mil litros de etanol por hectare plantado, segundo o EBI. Long contou que a quantidade de biomassa gerada a cada ano permitiria produzir quase três vezes o total de etanol que se obtém em cada hectare de milho, a matéria-prima usada pelos Estados Unidos para obter o biocombustível. O cientista também explicou que o miscanto requer menos terra para ser cultivado e pode ser plantado em solos mais pobres, duas outras vantagens em relação ao milho.

Entre os 49 projetos apoiados pelo EBI em seu primeiro ano de atividade, boa parte foca a gramínea. Os temas incluem avaliação do potencial do Miscanthus giganteus, maximização da produção da biomassa celulósica e combate a insetos e patógenos. Segundo a Agência Fapesp, cientistas da Universidade de Illinois — que participam do EBI com grupos da Universidade da Califórnia em Berkeley e do Laboratório Nacional Lawrence Livermore — estão também comparando o rendimento do miscanto com o do switchgrass (Panicum virgatum), gramínea muito comum nos Estados Unidos. Em testes já realizados, o miscanto mostrou produtividade mais de duas vezes superior à do switchgrass para produção de etanol. A palestra de Long foi uma atividade do Programa Fapesp de Pesquisa em Bioenergia (Bioen).