Notícia

JC e-mail

Parques da inovação

Publicado em 05 junho 2008

Comemoração dos dez anos do Cietec/USP é marcada por debate a respeito do Sistema Paulista de Parques Tecnológicos. Segundo Luciano Santos de Almeida, da Secretaria de Desenvolvimento, previsão é que em junho sejam assinados contratos para a construção de três unidades

Thiago Romero escreve para a “Agência Fapesp”:

Na comemoração dos dez anos de existência do Centro Incubador de Empresas Tecnológicas (Cietec) da Universidade de São Paulo (USP), nesta quarta-feira (4/6), na capital paulista, além do reconhecimento à excelência de uma das maiores incubadoras de base tecnológica na América Latina, com 116 empresas instaladas atualmente, o Sistema Paulista de Parques Tecnológicos também esteve no centro das atenções.

O Sistema Paulista de Parques Tecnológicos é um projeto que teve origem em 2002, na Secretaria de Desenvolvimento do Estado de São Paulo, como um instrumento para a correção da assimetria entre conhecimento e riqueza com base na criação de novas oportunidades de negócio entre academia e indústria.

Cláudio Rodrigues, presidente do Cietec, fez uma breve apresentação do Núcleo do Parque Tecnológico de São Paulo, que será vinculado ao centro aniversariante. Segundo ele, o crescimento e a sustentabilidade de novas empresas com base no conceito de parques tecnológicos são grande tendência para os próximos dez anos do centro.

“À medida que trarão para locais privilegiados do Estado de São Paulo empresas dispostas a inovar e a inserir novos produtos e serviços competitivos no mercado, os parques tecnológicos deverão ampliar a oferta e a demanda de tecnologia em diferentes setores industriais, como petroquímica, eletroeletrônica e novos materiais”, afirmou.

Segundo ele, nas instalações do núcleo do parque estão previstos espaços como um condomínio de empreendimentos inovadores, um centro de pesquisas cooperativas e um local exclusivo para a prestação de serviços tecnológicos.

“O maior projeto para os próximos dez anos do Cietec é a ampliação, com a instalação do Núcleo do Parque Tecnológico na Cidade Universitária e do condomínio de empresas, visando a fortalecer sua condição de referência tecnológica no cenário mundial”, disse.

A missão dos parques será a criação de um ambiente de alta qualidade para as atividades de pesquisa e desenvolvimento capaz de atrair empresas, introduzir novas tecnologias no mercado e fomentar a capacitação tecnológica em setores-chave para o desenvolvimento nacional.

Também presente à solenidade, o secretário-adjunto de Desenvolvimento, Luciano Santos de Almeida, disse que o programa de parques tecnológicos, que está sendo conduzido pela Coordenadoria de Ciência e Tecnologia, é uma prioridade da secretaria e sua concretização está cada vez mais próxima.

“A secretaria traçou uma meta, que é a de termos dez parques instalados até 2010. Para isso, estamos trabalhando em parceria com diversas entidades, entre elas a Finep [Financiadora de Estudos e Projetos], que deverá anunciar, no mês de junho, um aporte de recursos que poderá variar entre R$ 20 milhões e R$ 50 milhões por parque tecnológico”, adiantou Almeida.

“Se tudo der certo, a partir de junho estaremos assinando os contratos para a construção dos três primeiros parques”, afirmou. As cidades candidatas para receber os parques são Campinas, São José dos Campos, Piracicaba, São Carlos, Ribeirão Preto, São José do Rio Preto e São Paulo.

História ascendente

Quando o Cietec iniciou suas atividades, em abril de 1998, contava com 15 empresas incubadas. No fim de 2007, o número subiu para 127 companhias, que tiveram uma receita total de R$ 33,4 milhões e empregaram 780 profissionais.

“Como instituição gestora de uma incubadora, o Cietec está demonstrando que aprendeu a lição pelos seus bons indicadores de crescimento e pelos vários modelos de negócio que aqui nasceram. Costumamos dizer que o piloto já está no automático”, brincou Sérgio Risola, coordenador-geral do Cietec, durante a comemoração também marcada pelo lançamento do novo portal e por homenagens diversas a dirigentes e empresários da incubadora.

O Cietec é mantido pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-SP), que, nos últimos dez anos, investiu mais de R$ 5 milhões no centro. As empresas incubadas recolheram, de 1998 a 2007, cerca de R$ 26,7 milhões em impostos.

“Até hoje, 70 empresas foram graduadas pelo Cietec e estão no mercado. Trabalhamos com a política do ganha-ganha. De cada R$ 1 que o Sebrae investe, R$ 5 são revertidos em impostos, fazendo com que tanto as empresas como o governo e a sociedade saiam ganhando”, disse Rodrigues.

Com o objetivo de abrigar empresas de base tecnológica e, desse modo, ampliar o índice de sobrevivência desses empreendimentos, o Cietec foi criado por meio de um convênio entre a Secretaria de Desenvolvimento, o Sebrae-SP e a USP, com participação do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen) e o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).

Mais informações: http://www.cietec.org.br

Agência Fapesp