Notícia

A Tribuna (Santos, SP)

Parque Tecnológico terá planos para Ciência, Inovação e Marketing

Publicado em 02 setembro 2010

Mais uma etapa para o desenvolvimento do Parque Tecnológico de Santos, responsável para criar e estimular um ambiente de inovação e empreendendorismo, foi cumprida ontem, durante assinatura de convênio entre a Prefeitura e a Fundação Universidade de São Paulo (Fusp).

O documento oficializou a contratação da fundação para elaboração dos Planos de Ciência, Tecnologia e Inovação e de Marketinge Atração de Empresas para o parque tecnológico. O custo para contratar a Fusp foi de R$ 260 mil. A verba já foi repassada pelo Governo do Estado à Prefeitura.

Entre os objetivos dos planos estão identificar as oportunidades de pesquisa e elaborar projetos e ações para atrair novas empresas. O cenário para implementação do parque ganha força principalmente com as oportunidades geradas pelo pré-sal na Bacia de Santos. O parque será voltado também às áreas de porto, tecnologia da informação, meio ambiente, logística e transportes.

A elaboração do plano deverá ser finalizada até fevereiro e serão coordenados por dois núcleos da USP, o Grupo de Automoção Elétrica em Sistemas Industriais (Gaesi) e o Política e Gestão Tecnológica (PGT). O trabalho será realizado em conjunto com um grupo técnico já formado por representantes da Prefeitura, Usiminas, Petrobras, Codesp, Associação Comercial e por pesquisadores da Unisanta, UniSantos, Unip, Unimes, Unimonte, Unilus e Fatec.

Futuramente, a Prefeitura pretende construir um prédio, ao lado do Colégio Santista,para abrigar o Parque Tecnológico.Enquanto não sai do papel,haverá complementação de áreas das universidades, que emprestaram parte de suas instalações,como laboratórios, para uso específico do pólo tecnológico.

A parceria e o trabalho em regime de colaboração foram exaltados por membros USP e Prefeitura, durante a solenidade de assinatura do convênio, no Teatro Guarany. Em pronunciamento no palco, eles disseram que a Cidade de Santos deu um passo histórico para implementação do parque.

O reitor da USP, João Grandino Rodas, enfatizou a "parceria de peso" que irá trazer benefícios para todas agentes envolvidos. "Queremos ter uma participação efetiva para colhermos resultados em conjunto. Não estamos começando algo para não ver concretizado. Definitivamente, estamos fincando estacas neste solo sagrado para São Paulo e o Brasil".

O diretor da Escola Politécnica da USP, José Roberto Cardoso, disse que a iniciativa será um "alavancador de oportunidades" para micro e macro empresas. Segundo ele, este ambiente de convivência entre empresários, pesquisadores e estudantes das universidades vai colocar a cidade no "mapa tecnológico" do Estado.

Ele acha que a capacidade de transformar conhecimento em riqueza no País, por meio de inovação tecnológica, fora de sincronia. "Não está defasada, está fora de sincronia. O que precisa são ações para concentrar essas pessoas com competências para fazer tecnologia e inovação. E o caminho é um polo tecnológico que vai atrair cabeças com capacidade para produzir conhecimento.

Em seu discurso, o diretor executivo da USP, Antonio Marcos de Aguirra Massola, lembrou que em 1989 houve o interesse da universidade em fincar bases na Cidade, mas os esforços não tiveram resultados. "Agora o cenário é diferente. É importante que todos os envolvidos permaneçam juntos nesta parceria inédita".

Diante dos novos desafios com a exploração de petróleo e gás que irão gerar grandes oportunidades para diversos setores, o prefeito João Paulo Papa (PMDB) destacou que era o "momento" para Santos lutar pela a instalação do parque. "Não é um parque apenas para o desenvolvimento local, mas também para a região".

Implantação do projeto deve atrair investimentos e emprego

Os parques tecnológicos são a plataforma da inovação no país, defende o coordenador de Ciência e Tecnologia da Secretaria de Desenvolvimento do Estado de São Paulo, professor Dante Martinelli.

Ele diz que a implantação do projeto em Santos ajudará a região a atrair investimentos e oportunidades de emprego."Com a exploração do pré-sal, muitas empresas se instalarão no Litoral Paulista e o Parque Tecnológico de Santos serão berço de boa parte delas".

Com a entrada de Santos no SPTec, já chegam a 17 as iniciativas com credenciamento provisório no Estado. Outras 13 estão em processo de credenciamento. Em pleno funcionamento, há quatro parques. Eles estão em São José dos Campos,Campinas e São Carlos (dois).

IDEIA SURGIU EM 2002

A idéia de criação do Sistema de Parques Tecnológicos surgiu em 2002 na Secretaria de Desenvolvimento.

Em fevereiro de 2006 foi assinado decreto que o instituiu, na sede da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

Muitos países têm usado com sucesso esse tipo de estratégia, potencializando a capacidade de gerar riqueza ao associar instituições de ensino superior com iniciativas do setor produtivo e governamentais.