Notícia

Acorda Cidade

Parou os treinos? Especialista alerta para riscos ao retomar os exercícios

Publicado em 26 junho 2021

Sedentarismo na pandemia pode provocar dores articulares.

Muita gente na pandemia parou de treinar. Segundo dados divulgados pela Agência Fapesp, nos primeiros meses de confinamento houve uma redução de 35% no nível de atividade física e aumento de 28,6% nos comportamentos sedentários, como passar mais tempo sentado e deitado, além de maior ingestão de alimentos não saudáveis. Com base neste levantamento internacional, uma pesquisa da Universidade Estadual Paulista (Unesp) estima que a quarentena pode gerar um aumento anual de mais 11,1 milhões de novos casos de diabetes tipo 2.

Os motivos para a evasão da prática esportiva são diversos, como o fechamento das academias, o próprio isolamento social necessário para conter o coronavírus, pessoas que não conseguem treinar sozinhas e até fatores emocionais. O educador físico Vinny Lago ressalta que, além de distúrbios metabólicos, como elevadas taxas que levam a hipertensão e diabetes, o sedentarismo também causa dores musculares e articulares. Uma prova disso é o levantamento do Google Trends, por exemplo, que mostra que a pesquisa no Google pelo termo “dor nas costas” teve um crescimento de 76% desde o início da pandemia no Brasil.

“O sedentarismo fez com que dores aparecessem com mais frequência nas pessoas durante a pandemia e isso se deve pela diminuição da massa magra, que faz com que a parte óssea fique desprotegida. Os músculos têm a função de estabilizar as articulações e agem como amortecedores naturais, evitando as dores articulares, assim como também melhora o sistema metabólico”, conta Vinny Lago, que é triatleta e atua há 21 anos como educador físico.

Dicas

Quem teve uma pausa nos treinos, a dica é ir com calma. O ponto mais importante para a volta depois de um tempo parado é procurar uma supervisão e orientação de um profissional, principalmente no início, para elaborar um planejamento de adaptação e, assim que estiver condicionado e fortalecido, ter segurança para continuar.

“A atividade física é o melhor remédio, o mais saudável e natural, que promove uma resposta imediata. A corrida é benéfica neste quesito porque libera todos os neurotransmissores, causa analgesia e promove a lubrificação articular. É importante que haja uma avaliação biomecânica pois não é só chegar e sair por aí correndo. Uma prescrição detalhada é fundamental para não sentir dores e, consequentemente, sofrer alguma lesão. Quem vai com muita sede ao pote acaba se lesionando, e é o que vem acontecendo muito por ai”, afirma Vinny Lago.

O especialista destaca que, com o auxílio de profissional de educação física, o progresso será mais rápido que quando iniciado pela primeira vez, mas com uma necessária adaptação: “O corpo foi feito para se movimentar e, a partir do momento que há uma movimentação corporal, o sistema metabólico começa a reagir. Consequentemente, haverá uma lubrificação articular e um aumento do tônus muscular e o corpo irá reagir de maneira bastante significativa no sistema de proteção das articulação e parte óssea. A pessoa já vai se sentir bem a partir de uma simples caminhada, um treino, um alongamento e, consequentemente, as dores serão minimizadas”, finaliza.