Notícia

Investe São Paulo

Parceria entre SIMA e FAPESP prevê estimular a cadeia de bioenergia e a valorização energética dos resíduos sólidos

Publicado em 26 fevereiro 2021

Nesta quarta-feira (24), o secretário de Infraestrutura e Meio Ambiente (SIMA), Marcos Penido; e o presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), Marco Antônio Zago, assinaram um protocolo de intenções para o desenvolvimento de ações e projetos voltados à cadeia de bioenergia. O acordo foi firmado durante o Webinar “Valorização de Resíduos” em parceria com o Comitê de Integração de Resíduos Sólidos (CIRS) e busca produzir biocombustíveis, bioeletricidade e novos produtos a partir de diferentes insumos, incluindo resíduos.

No evento online também foi debatido o potencial econômico, social e ambiental do tratamento de resíduos urbanos, industriais e agrícolas, bem como as oportunidades oferecidas pela legislação para a redução de efluentes, reciclagem e reuso.

“A inteligência do setor acadêmico somada ao braço operacional do poder público permitirá que coloquemos as pesquisas em prática. Existem inúmeras oportunidades de aproveitamento dos resíduos sólidos até que se transformem em lixo. Neste caminho de transformação há muita geração de riqueza, emprego, renda e oportunidades a serem colhidas pelo nosso Estado”, destacou o secretário Marcos Penido.

Para o presidente da FAPESP, Maro Antônio Zago, as sociedades desenvolvidas são reconhecidas pela importância que dão à inclusão social, proteção aos direitos humanos e ao meio ambiente – a qual inclui a questão de resíduos sólidos, reciclagem e aproveitamento energético. “Celebramos esta parceria que visa transformar os resíduos de um problema da sociedade, para oportunidades e benefícios. As ações serão focadas principalmente na bioenergia, ou seja, na aplicação da produção de biocombustível, etanol de segunda geração, biodiesel e biogás para substituir os derivados de petróleo na matriz energética do Estado de SP”, explicou.

“Na natureza nada se cria, na se perde e tudo se transforma”, ressaltou o Diretor Científico da FAPESP, Luiz Eugênio Mello. “Resíduos são produzidos o tempo inteiro e se tornam um problema quando produzidos em larga escala. Em essência é disso que estamos falando, em transformar a matéria em energia e dar novos propósitos àquilo que nós já utilizamos de alguma forma”, finalizou.

Em novembro de 2020 a SIMA concluiu a revisão do Plano Estadual de Resíduos Sólidos que orienta a atividade no Estado nos próximos 15 anos. A versão revisada incorpora temas, como, lixo no mar, economia circular, mineração e áreas contaminadas e fortalece os temas de regionalização e formação de consórcios de municípios, do Sistema de Gerenciamento On-line de Resíduos Sólidos (Sigor), entre outros. A revisão alinha as novas diretrizes aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), da Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas (ONU), e também ao Plano Plurianual (PPA) 2020.

São Paulo é o maior polo de inovação agro tecnológica do continente. É líder na produção de laranja, açúcar e etanol; e o segundo maior produtor de soja do país.

Também participaram do encontro representante do Programa BIOEN-FAPESP, Glaucia Mendes Souza; do Núcleo Interdisciplinar de Planejamento Energético (NIPE/Unicamp), Telma Franco; da Associação Brasileira de Recuperação Energética de Resíduos (ABREN), Yuri Schmitke; e da Associação Brasileira da Indústria do PET (Abipet), Auri Marçon.

fonte: https://www.infraestruturameioambiente.sp.gov.br/2021/02/parceria-entre-sima-e-fapesp-preve-estimular-a-cadeia-de-bioenergia-e-a-valorizacao-energetica-dos-residuos-solidos/