Notícia

O Povo

Para que serve a Geografia?

Publicado em 08 junho 2008

A Geografia como ciência se esboça em meados do século XIX, mas os primeiros conhecimentos geográficos surgem na Grécia Antiga. Mas foi na Idade Média, mais precisamente entre os séculos XV e XVI que a Geografia passa a ter uma importância bem específica na época do descobrimento ou do "achamento", como dizem os portugueses, de novas terras, caso da América. Nesse momento histórico, a Geografia ainda não era conhecida por esse nome, mas por Cosmografia, daí surge o nome da primeira escola geográfica, a Escola Cosmográfica de Sagres, em Portugal.

A Geografia também serviu (e serve) para fazer a guerra, lembrando o título do célebre livro do geógrafo francês Yves Lacoste. Tal conhecimento sempre foi fundamental para a formulação de estratégias para os exércitos e para subjugar povos ditos "inferiores" ou "bárbaros", desde Alexandre O Grande e Gengis Khan, até a guerra "cirúrgica" e imperialista dos americanos contra o terrorismo e pela "democracia" (a deles, é claro !!!).

Deixando a História um pouco de lado e discutindo um pouco sobre as metodologias de pesquisa utilizadas na ciência geográfica, considero o trabalho de campo como um dos mais relevantes. Mesmo com o acesso às novas tecnologias, tais como as imagens de satélite (atualmente super democratizadas na Internet), o GPS (Sistema de Posicionamento Global), os softwares de geoprocessamento e o SIG (Sistema de Informação Geográfica), essas técnicas não substituem o que se convencionou chamar de análise da "verdade terrestre". O trabalho de campo é uma prática insubstituível para o geógrafo, seja estudante ou professor, seja técnico ou acadêmico, pois o cheiro da vegetação ou os ruídos da cidade nos dão percepções, sensações e conclusões que o ambiente do laboratório ainda não é capaz de nos prover.

No que diz respeito aos métodos, a Geografia hoje tem permeado os temas ambientais (Geografia Ambiental, Geografia Física), sociais e econômicos (Geografia Crítica, Geografia Econômica, Geografia Urbana e Agrária), culturais (Geografia Cultural e da Percepção) e recentemente tem produzido importantes pesquisas na Geografia da Saúde e na Geografia do Turismo.

A Geografia é uma ciência que possibilita uma leitura crítica da realidade. A tal busca da essência na aparência. A esse propósito, a Geografia não pode fugir do que está no cerne de seu objeto de estudo, que é a compreensão do espaço geográfico oriundo da interação dialética das atividades humanas com a Natureza.

Nas últimas semanas, foram realizadas dois importantes eventos no nosso Estado: o XXI Encontro Estadual dos Estudantes de Geografia, em Limoeiro do Norte, e a Semana dos Geógrafos do Ceará, nos campi da Uece e da UFC em Fortaleza. Nesses eventos foram comemorados o dia do Geógrafo - 29 de maio.

Lutiane Queiroz de Almeida é geógrafo, doutorando em Geografia pela Universidade Estadual Paulista (Unesp), campus de Rio Claro (SP). É bolsista da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de São Paulo - Fapesp. Vem trabalhando na tese "Vulnerabilidades socioambientais de rios urbanos" e é membro do conselho consultivo do O POVO. lutianealmeida@hotmail.com