Notícia

UDOP - União dos Produtores de Bioenergia

Para Joly, País pode reduzir em 35% emissões de GEE

Publicado em 22 outubro 2009

Se o Brasil reduzir em 50% a taxa de desmatamento vai diminuir em 35% suas emissões de gases de efeito estufa, afirma o professor da Unicamp Carlos Alfredo Joly, durante o seminário Desafios Socioambientais para o Século 21, realizado pelo Instituto de Estudos Avançados, na Universidade de São Paulo.

Joly coordena o Programa em Caracterização, Conservação e Uso Sustentável da Biodiversidade do Estado de São Paulo, também conhecido como Programa Biota/Fapesp, que tem o objetivo de inventariar e caracterizar a biodiversidade do Estado de São Paulo, definindo as ferramentas para sua conservação, avaliação do potencial econômico e sua utilização sustentável.

O biólogo apresentou um quadro ambiental inquietante do País durante sua palestra. Joly lembrou que os dados sobre as emissões brasileiras de gases de efeito estufa se referem a 1990 e foram publicados em 1994. "Esse número não foi mais atualizado. Neste ano, marcado pela Conferência do Clima, em Copenhague, devemos ter a publicação de novo levantamento." Ele disse que hoje temos apenas 30% de área de cerrado, que 75% da área de caatinga já está alterada, o mesmo ocorrendo com 30% da área florestal da Amazônia.

Para o professor da Unicamp, o comportamento do Brasil ainda pode mudar e o País pode liderar as negociações na Conferência do Clima, em dezembro, em Copenhague. O fato animador recente é o abandono por negociadores brasileiros da posição defendida pelo País havia três anos contrária ao Painel Intergovernamental para a Biodiversidade, o equivalente ao IPCC.

"Há 15 dias, durante a reunião da Organização das Nações Unidas em Nairóbi, no Quênia, o Brasil deu uma guinada e passou a ser o principal apoiador do painel, com planos para repatriação de material brasileiro em poder de museus no exterior e de formação de pesquisadores, entre outros." Joly disse esperar que, em Copenhague, o País saia da defensiva e vá para a ofensiva de forma criativa.