Notícia

UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas

Para Hilton Silveira, país tem condições de produzir alimentos pelos próximos 40 anos

Publicado em 15 setembro 2011

Por Hélio Costa Júnior

"O Brasil tem condições de produzir alimentos pelos próximos 40 anos. Até o momento, não há a menor preocupação com relação à alimentação do povo brasileiro. O que pode acontecer é uma mudança no regime alimentar em função do aquecimento global. Com o aquecimento gradual da temperatura, pode ser que tenhamos que mudar a fonte de alimentação. Em locais em que se produz maçã e pêra, o plantio deverá ser alterado para frutas tropicais como o mamão e melancia, por exemplo". Foi o que disse Hilton Silveira Pinto, diretor-associado do Cepagri (Centro de Pesquisas Meteorológicas e Climáticas Aplicadas à Agricultura), durante a sua participação nesta manhã, no seminário Internacional Bioenergia: alternativas e avaliação de impactos no Brasil e nos EUA.

Luiz Cortez: "o Brasil está vivendo uma crise momentânea decorrente de uma descontinuidade de investimentos"Além de Silveira Pinto, que coordenou a mesa-redonda "Alternativas e Avaliação de Impactos", o evento reuniu, no auditório do Instituto de Economia (IE) da Unicamp, os professores David Zilberman, da Universidade da Califórnia (Berkeley); Madhu Khanna, da Universidade de Illinois; José Maria Fereira Jardim da Silveira, do Instituto de Economia (IE); Luiz Augusto Barbosa Cortez, da Faculdade de Engenharia Agrícola (Feagri), e Arnaldo Cesar da Silva Walter, da Faculdade de Engenharia Mecânica (FEM).

Aos convidados internacionais David Zilberman e Madhu Khanna, Luiz Cortez apresentou o tema "A Pesquisa em Bioenergia em São Paulo: o papel da Fapesp". Ele também salientou que a Fapesp está realizando na Unicamp ações importantes na área de Bioenergia, citando como exemplo o Laboratório de Bioenergia (Labioen), que a Pró-reitoria de Pesquisa (PRP) está organizando.

Sobre o setor sucroalcooleiro, o professor da Feagri disse que o Brasil está vivendo uma crise momentânea decorrente de uma descontinuidade de investimentos. "Eu acho que é uma crise de momento. Seja pelo lado do etanol ou pelo da geração de energia elétrica, as perspectivas do país são muito boas. São oportunidades onde a Unicamp e os órgãos de pesquisa têm que estar presentes".

Cortez também fez menção a um curso de pós-graduação em Bioenergia, em nível de doutorado, que a Unicamp está começando a estruturar. "A Fapesp tem várias ações na área. Muito mais do que a questão da pesquisa e da pós-graduação é a questão da pertinência da pesquisa. É fazer coisas que realmente vão ter impacto na sociedade e para o futuro do país", disse. No evento do IE, que contou com a organização do professor José Maria Fereira Jardim da Silveira, Arnaldo Cesar da Silva Walter (FEM) abordou o tema "A Pesquisa em Bioenergia no CTBE".