Notícia

TN Petróleo

Papel sintético reciclável made in Brazil

Publicado em 01 janeiro 2009

Estudos Realizados na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) criaram um papel sintético feito a partir de resíduos plásticos. A pesquisa, financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), já é desenvolvida desde 1996 no Departamento de Engenharia de Materiais (DEMa) da Instituição.

O papel sintético feito a partir de plástico reciclável é pioneiro no setor, segundo Sati Manrich, coordenadora do projeto e docente do DEMa. Como principais características o produto apresenta maior durabilidade, resistência à umidade e melhor aspecto visual do que o papel de celulose. Ele pode ser utilizado na elaboração de produtos diferenciados, como catálogos, manuais, cartilhas, livros, cartões, outdoors e cartazes em geral, embalagens para DVDs, tabuleiros de jogos, rótulos, etiquetas

e envelopes, dentre outros.

Sati salienta que, além de inovador, o projeto também tem importância ecológica porque contribui para redução no volume de lixo. “Os impactos ambientais seriam reduzidos pela possibilidade de utilizar os resíduos plásticos descartados, reduzindo o volume desse material no lixo urbano ou no ambiente. Mesmo em comparação com o papel celulósico reciclado, o

papel sintético a partir de plástico pós-consumo causaria menos impacto ambiental”, acredita a pesquisadora.

Já com o depósito da patente feito para o papel sintético reciclável, Sati gostaria que seu lançamento fosse marcado por ações educativas. “Seria ideal se o papel fosse utilizado na produção de uma cartilha infantil sobre impactos ambientais, reciclagem de resíduos plásticos e fabricação de papel sintético ecológico, como um instrumento de educação ambiental

de crianças que, aliás, serão as mais afetadas pelos problemas ambientais atuais e futuros”, enfatiza a pesquisadora.