Notícia

Jornal do Brasil online

Panela de alumínio representa riscos

Publicado em 27 dezembro 2005

Por Claudia Bojunga
Pesquisa da Universidade de São Paulo encontrou concentrações do metal acima do permitido em alimentos

Cozinhar em panelas de alumínio, a longo prazo, poder ter efeitos nocivos para a saúde. Uma pesquisa da Universidade de São Paulo (USP) encontrou quantidades do metal acima do aceitável em alimentos, após o preparo em utensílios feitos desse material, os mais usados.
Após a análise de arroz com feijão, a engenheira Elaine Cristina Bocalon, coordenadora do trabalho realizado na Escola de Engenharia de São Carlos da USP, observou uma transferência de 20 miligramas de alumínio por litro depois de 3 horas de fervura em água com sal (com uma concentração de 10 gramas de sal em 4 litros de água). Enquanto o padrão máximo admissível é de 14 miligramas. A pesquisa foi divulgada no site da Agência de Notícias da USP e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).
Vários estudos científicos já relacionaram o alumínio a disfunções neurológicas como o mal de Alzheimer, ao câncer de pulmão e à inflamações. Em artigo publicado na Revista de Nutrição, Késia Diego Quintaes, do Departamento de Planejamento Alimentar e Nutrição, da Faculdade de Engenharia de Alimentos da Universidade Estadual de Campinas, revela que cerca de 75% a 95% do alumínio ingerido é eliminado na urina e nas fezes, o restante é absorvido e depositado em vários órgãos como os ossos e pulmões.
A engenheira também constatou que quanto mais sal na água, maior é a passagem de alumínio para a comida. Aumentando a salinidade de 10 para 50 gramas por 4 litros, verificou-se que a concentração de metais cresceu 25%. O sal eleva a condutividade da água, segundo explicou à Agência Fapesp Elaine Bocalon. A variação do pH, de muito ácido para muito básico, aumentou em 160% a concentração do alumínio na água.
Segundo Késia, outro fator que influencia na transferência de metais é a qualidade da liga de alumínio utilizada pela indústria.
Para evitar os efeitos prejudiciais do alumínio nos alimentos, a pesquisadora recomenda que o sal seja adicionado aos alimentos depois que sejam cozidos. Além disso, Elaine aconselha a utilização de recipientes de teflon, que acredita serem os melhores, pois contêm camadas de óxidos em suas paredes que dificultam a transferência de metais tóxicos.
A coordenadora do estudo está concluindo um trabalho com água contaminada por partículas de alumínio nas panelas de teflon.
Outra medida preventiva é não lavar os utensílios com esponja de aço, que podem aumentar a transferência de metais para a água. A experiência foi realizada com panelas novas, que ainda não haviam sido lavadas diversas vezes. Também é importante não deixar as panelas no fogo durante muito tempo.