Notícia

Dom Total

Pandemia fez nível de emprego cair para 47% em julho

Publicado em 22 novembro 2020

Por José Tadeu Arantes, da Agência FAPESP

Os mais afetados foram os negros, por estarem mais fortemente alocados no trabalho informal, e as mulheres, por atuarem predominantemente em setores considerados não essenciais

A pandemia abalou a atividade econômica e agravou os problemas sociais em vários países. No Brasil, os impactos foram especialmente severos. "O nível de emprego – calculado pela razão entre o número de pessoas que trabalham e a população em idade economicamente ativa – caiu abaixo de 50% em abril de 2020. E continuou baixando até julho, quando atingiu o vale de 47%. Isso significa que mais da metade da população em idade de trabalhar ficou sem trabalho", diz Rogério Barbosa, ex-pesquisador do Centro de Estudos da Metrópole (CEM), atualmente professor do Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (IESP-UERJ).

Em parceria com Ian Prates, Barbosa publicou no The Indian Journal of Labour Economics, o artigo The Impact of Covid-19 in Brazil: Labour Market and Social Protection Responses . O estudo recebeu apoio da Fapesp por meio de bolsa de pós-doutorado concedida a Barbosa.

"Trabalhamos no artigo com dados de junho de 2020. Mas, depois, publicamos outros estudos com atualizações, baseadas em levantamentos da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) – tanto da PNAD Contínua quanto da PNAD Covid-19. Essas informações confirmaram a previsão que havíamos feito logo na fase inicial da pandemia", afirma Barbosa.

"Naquela ocasião, cruzamos dois parâmetros: vínculo de emprego formal ou informal (incluindo aqui trabalho por conta própria) e emprego em setores essenciais ou não essenciais. Com base nisso, previmos que os negros e as mulheres seriam os mais afetados. Os negros por estarem mais fortemente alocados no trabalho informal e as mulheres por atuarem predominantemente em setores considerados não essenciais – ambas as situações decorrentes da formação histórica do Brasil. Os dados da PNAD confirmaram essa previsão. Para cada trabalhador formal demitido, três trabalhadores informais perderam sua condição de trabalho. E os setores não essenciais, de prestação de serviços para pessoas físicas, foram os mais duramente atingidos", continua o pesquisador .

Segundo Barbosa, o nível de emprego no Brasil sempre esteve na faixa dos 60%. Houve uma queda com a crise econômica de 2014, mas o número vinha subindo. Com a pandemia, ele caiu pela primeira vez abaixo dos 50%. “Apareceu uma nova categoria de desemprego, que é a do 'desemprego oculto pelo distanciamento social'. Normalmente, o índice de desemprego, que podemos chamar de 'desemprego aberto', é calculado considerando o percentual de pessoas que procuram emprego e não conseguem arrumar. Com a pandemia, de 17 a 19 milhões de pessoas simplesmente deixaram de procurar – seja devido ao risco de contágio, seja porque muitos postos de trabalho foram fechados. Somando o 'desemprego oculto' com o 'desemprego aberto', o total de pessoas desempregadas chegou a quase 30% em julho de 2020", informa o pesquisador.

E acrescenta: "Esse percentual é um valor médio nacional. Mas esta situação apresentou grandes diferenças de estado para estado. Houve estados nos quais o desemprego ultrapassou 50%. Com o afrouxamento das medidas de isolamento social, houve depois certa recuperação, mas ainda estamos bem abaixo do patamar anterior à pandemia".

De acordo com o pesquisador, o Auxílio Emergencial foi efetivo, apesar de erros e atropelos na logística de implantação e de fraudes no direcionamento dos recursos. "Ele aliviou a situação dos 30% mais pobres, que vinham perdendo renda sistematicamente desde 2014. Quando o Auxílio chegou, esses mais pobres estavam no vale da curva de renda. E tiveram certa compensação, não só das perdas provocadas pela pandemia, mas também de perdas anteriores. Porém é preciso entender que o Auxílio diminuiu os indicadores monetários da pobreza, mas não a pobreza em si, pois esta engloba muitas outras dimensões além da estritamente monetária, como, por exemplo, as condições de moradia. Com o fim do Auxílio, os mais pobres continuarão tão pobres quanto eram antes", diz Barbosa.

O pesquisador afirma que o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda beneficiou os grandes empregadores, que não precisaram demitir e arcar com o ônus das demissões, e aliviou a situação dos trabalhadores formais, que conseguiram manter o emprego, embora com perda de rendimento (a renda só se manteve para assalariados ganhando um salário mínimo). "Mas os empregadores de pequenas e médias empresas, que são os que mais empregam no Brasil, ficaram descobertos. Quando a economia se abrir, faltarão postos de trabalho, porque muitas pequenas e médias empresas foram fechadas e não poderão ser reabertas", sublinha Barbosa.

O teletrabalho, que se mostrou muito efetivo nos países desenvolvidos da Europa, beneficia, no Brasil, apenas 10% dos trabalhadores – justamente os que desfrutam de maior padrão econômico e cultural. Isso engloba profissionais com ensino superior e funcionários alocados em funções gerenciais ou administrativas. A maioria das tarefas que demandam menor escolaridade não pode ser feita a distância. E, mesmo quando podem, nem sempre o trabalhador dispões de recursos técnicos como internet de banda larga. "Antes da pandemia, o Brasil estava mais ou menos no mesmo patamar dos países ricos em matéria de teletrabalho. Agora, ficamos completamente na rabeira", comenta Barbosa.

Publicado originalmente pela Agência Fapesp.

Essa notícia também repercutiu nos veículos:
Blog A Crítica MT HOJE Carta Campinas