Notícia

A Folha (São Carlos, SP)

Palestra aborda uso de toxinas de serpentes em medicamentos

Publicado em 05 junho 2001

O Instituto de Estudos Avançados USP São Carlos e Embrapa Instrumentação Agropecuária promovem nesta terça-feira, dia 5, dentro do "Ciclo de Conferências Temáticas Ciência e Sociedade", a palestra "Utilização das toxinas de venenos de serpentes brasileiras no desenvolvimento de medicamentos". Ela será proferida pelo coordenador do Centro de Toxinologia Aplicada (CEPID - FAPESP) e Pesquisador do Laboratório de Bioquímica e Biofísica Do Instituto Butantã. Antonio Carlos Martins de Camargo. O palestrante fez doutoramento sob a orientação do Prof. Rocha e Silva sobre a modulação da ação de peptídeos biologicamente ativos no sistema nervoso central, sendo que até os dias de hoje é a sua linha principal de pesquisa. Publicou mais de 95 trabalhos completos em revistas científicas internacionais e formou mais de 25 mestres e doutores, que hoje são professores das universidades estaduais e federais brasileiras. É Professor Titular da USP, membro titular das Academias, Brasileira e do Estado de São Paulo, Tem publicado com freqüência artigos jornalísticos sobre a universidade e instituições de pesquisa. A palestra começa às 20h, na Embrapa Instrumentação Agropecuária, rua XV de Novembro, 1452. Informações pelo telefone (16) 274-2477 CENTRO DE TOXINOLOGIA APLICADA (CAT) O Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPID) dedicado à Toxinologia Aplicada (CAT) é uma iniciativa pioneira da FAPESP destinado a explorar substâncias específicas (toxinas animais e de microorganismos) de grande interesse médico, social, econômico e ecológico, derivadas da nossa biodiversidade. É um tema eminentemente brasileiro que já vem sendo abordado por muitos pesquisadores brasileiros e estrangeiros desde o inicio de nossa colonização, mas que tomou um impulso muito grande no começo desse século com a criação do Instituto Butantan. Esse instituto detém hoje soma considerável de conhecimentos e valiosas coleções de animais venenosos. O CTA foi concebido para ser um organismo que deverá utilizar, de forma sistemática e multidisciplinar, toda essa herança, ampliando com recursos modernos, os esforços que já vem sendo feitos em benefício da educação e cultura e no desenvolvimento científico, relacionados às toxinas animais e de microorganismos. A importância desse projeto poderá ser depreendida da resposta à três perguntas que fundamentam o CTA nos moldes dos CEPIDs: 1) Qual o interesse científico das toxinas? Para responder a essa pergunta basta lembrar que foi procurando explicar como as toxinas de animais e de microorganismos causam seus efeitos é que entendemos melhor o crescimento celular e a migração de células, como a contração muscular e a atividade nervosa são desencadeadas, como a pressão arterial é controlada, entre tantos outros mecanismos vitais. Consequentemente, as toxinas também ajudam a conhecer a biologia dos tumores, as patologias nervosas e musculares e as: causas das doenças cardiovasculares. 2) Qual é o interesse econômico das toxinas? As toxinas são reconhecidamente instrumentos de grande utilidade para a investigação fisiopatológica, pois interagem especificamente com receptores e enzimas vitais. A natureza levou milhões de anos para produzi-las. Por esse motivo suas estruturas moleculares são de enorme utilidade à química farmacêutica para a geração de fármacos ou de agentes não-poluentes no combate a pragas da lavoura. Podemos assim entender por quê essas moléculas são fontes da cobiça internacional que levam às freqüentes denúncias de biopirataria, motivada pela riqueza brasileira de animais e microorganismos produtores dessas moléculas bilionárias. 3) Qual é o interesse educacional e social das toxinas? Dados do Ministério da Saúde mostram que no Brasil, somente as toxinas de serpentes são responsáveis pelo mesmo número de óbitos que a hepatite B e a meningite meningocócica. As toxinas de bactérias patogênicas intestinais, causadoras de diarréias, são responsáveis pelo alto índice de mortalidade infantil. Os cuidados médicos (ou preventivos) resultantes de acidentes com animais e microorganismos produtores de toxinas constitui uma das tarefas educacionais do CAT, e é de grande relevância num país tropical de dimensões continentais. O CAT estará atuando junto à Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo no sentido de ampliar as ações já praticadas com grande dificuldade pelos Institutos de pesquisa na área da saúde de São Paulo, especialmente pelo Instituto Butantan, a fim de oferecer cursos para crianças e adultos, manuais de prevenção de acidentes e cuidados médicos, distribuídos amplamente nos postos de saúde, casa da lavoura, escolas, etc. Para tanto, contaremos também com o apoio de indústrias farmacêuticas nacionais. O CAT terá também o papel de aproximar a pesquisa básica das indústrias farmacêuticas nacionais, assunto da mais alta relevância para o país. Para isso o CAT terá como sede o Instituto Butantan, em parceria com o Centro de Biologia Marinha-USP, com os Departamentos de Fisiologia e de Anatomia do Instituto de Ciências Biomédicas/USP, com o Centro de Estudos de Insetos Sociais do Instituto de Biociências de Rio Claro/ UNESP, com o Instituto de Biociências e Letras de São José do Rio Prêto/UNESPSJRP e com o Laboratório de Peptídeos/Departamento de Biofísica da UNIFESP. Três Laboratórios Farmacêuticos brasileiros, Sintofarma, Biosintética e Biolab/Sanus serão nossos parceiros nos projetos aplicados. Essas parcerias permitirão a realização multidisciplinardo trabalho científico com vistas ao seu desenvolvimento, sua aplicação à sociedade e a obtenção de produtos de interesse farmacêutico e social, indispensáveis para atingir suas principais metas. Para tanto estarão reunidos cientistas, educadores e empresários com diferentes formações intelectuais e técnicas.