Notícia

Gazeta do Povo online

Palavras órfãs

Publicado em 17 junho 2016

Por Francisco Pancho Camargo

Mexendo em seus livros, professor Afronsius (re)encontrou o Pequeno Dicionário Brasileiro da Língua Morta – Palavras que sumiram do mapa, de Alberto Villas, Editora Globo, 2012. Presente de um amigo.

No Pequeno Dicionário, 302 páginas, Afronsius tinha sublinhado alguns exemplos do inventário de Villas quanto à “mutação vernacular”:

– Barão – notas de 1 cruzeiro, 5 cruzeiros e mil cruzeiros.

– Baratinha – carro conversível.

– Tranchan – chique, elegante.

– Víspora – bingo.

– Varapau – adolescente que cresceu rapidamente.

– Velocípede – brinquedo infantil.

– Borocoxô – triste, cabisbaixo, desanimado.

– Bebê johnson – criança bonita.

– Meia soquete – meia de cano curto.

E ficou imaginando: há também palavras que não saíram do dicionário, ou seja, nunca foram utilizadas de maneira corrente, maciça, em conversa informal, descontraída. Notadamente em papos de boteco. Caso do adjetivo escorreito. Adjetivo, sem defeito ou lesão. Apurado, correto.

Mais:

Nefelibata: s.m. e s.f. – Pessoa que busca se esquivar da realidade; quem vive nas nuvens.

Onicofagia: sf. Roedura habitual de unha.

Aziago – adj. Agourento. V. Infausto.

Aluir – vtd. Fazer vacilar; abalar; pôr abaixo, derribar.

A breve vida das palavras

A propósito das palavras, há também uma matéria da revista Pesquisa, da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), sobre A vida das palavras. O texto, assinado por Igor Zolnerkevic (edição de julho de 2011), informa que físicos e linguistas examinam a evolução do vocabulário de comunidades. E admitem que ninguém sabe exatamente quantas palavras nascem a cada momento, mas têm certeza de que “a imensa maioria delas é raramente usada, geralmente esquecida”.

E segue o baile.