Notícia

Extra (Rio de Janeiro, RJ) online

Palácio dos Bandeirantes ganha escultura de Lasar Segall

Publicado em 23 julho 2008

A partir desta quinta-feira, quem visitar o Palácio dos Bandeirantes verá no saguão "Maternidade", uma escultura em bronze de Lasar Segall, um dos ícones do movimento modernista. A obra acaba de ser doada ao governo paulista pelo Museu e Associação de Amigos do Museu Lasar Segall. Trata-se de um dos 25 múltiplos de bronze da original, esculpida em argila pelo artista em 1935, com 45 centímetros de altura. Todos foram confeccionados na forma usada pelo artista lituano e o valor estimado é de R$ 40 mil.
Dono de uma vasta coleção de obras modernistas, o governo de São Paulo ainda não tinha em seu acervo nenhuma escultura de Segall. "Maternidade" chega para preencher a lacuna e reviver os tempos em que grandes coleções de arte ou peças raras chegavam a museus na forma de doação.
O acervo do governo paulista, porém, foi formado com a compra de peças, entre o fim da década de 60 e o início dos anos 70. Nada menos do que 85% do acervo foi adquirido neste período, com o objetivo não só de decorar os palácios do estado, mas de abrir a coleção à visitação pública.
Desta vez, coube ao governador José Serra 'jogar verde' para conseguir a nova obra de graça. Por várias vezes, em conversas com Celso Lafer, presidente da Fapesp, o governador deixou escapar que não havia no acervo do Bandeirantes nenhuma obra de Lasar Segall. O interlocutor não poderia ser mais apropriado: Lafer preside o Conselho Deliberativo do Museu Lasar Segall e levou o assunto à discussão na Associação Cultural de Amigos do Museu Lasar Segall.
Serra não é só bom de conversa. Foi ele o responsável pela mudança de orientação no tratamento dado às obras dos palácios paulistas. Durante anos as peças ficaram nas paredes, decorando gabinetes, longe das vistas dos cidadãos - que são os verdadeiros donos dos bens públicos.
Na atual gestão, Serra criou uma curadoria para organizar o acervo, orientada a promover exposições.
Para se ter uma idéia, nem mesmo o número exato de obras que compõem a coleção era sabido. Apenas em agosto deve ser encerrado o inventário iniciado na década de 80 e retomado há pouco mais de um ano. Oficialmente, fala-se em cerca de 3.500 obras. Com o inventário, este número deve ficar em torno de 4 mil.
- São vários tipos de obras de arte, desde pinturas e esculturas até prataria e mobiliário. A maior parte é de artistas do Modernismo e da arte barroca brasileira e portuguesa - conta Ana Cristina Carvalho, curadora do acervo e responsável pelo início de mudança no trato das obras de arte.
Até bem pouco tempo, "Operários", obra das mais importantes de Tarsila do Amaral, servia apenas para decorar o Palácio Boa Vista, em Campos do Jordão. Há pouco tempo a obra saiu de lá e foi exposta na Pinacoteca do estado, na exposição 'Tarsilla Viajante'
As cerca de 4 mil peças estão abrigadas nos três palácios do governo do estado - o Bandeirantes, residência oficial do governador; o Boa Vista, em Campos do Jordão; e o do Horto, no Horto Florestal, na zona norte da capital.
O Palácio do Horto é a residência de verão do governador do estado. Pouco tem sido usado com este fim. Em junho. Em sua coleção estão obras de artistas como Collete Pujol, Margaret Mee, Rugendas, Mário Gruber, Antonio Henrique do Amaral, Oscar Pereira da Silva e Milton Dacosta, entre outros.
O Palácio Boa Vista, em Campos do Jordão, foi construído entre 1938 e 1964 e sua arquitetura lembra um palácio da era medieval. Seu acervo inclui mobiliários dos séculos XVII e XVIII, antiguidades, esculturas, peças decorativas, objetos religiosos, e obras de artistas contemporâneos, como Di Cavalcanti, Tarsila de Amaral, Anita Malfatti e Aldo Bonadei.
No Bandeirantes, moradia do governador, estão peças de Portinari, Aldo Bonadei, Djanira, Almeida Júnior, Victor Brecheret, Ernesto de Fiori e Aleijadinho. O palácio expõe ainda mobiliário colonial, artefatos de couro e prata e tapeçaria européia. Todas essas obras foram adquiridas a pedido do então governador Roberto Costa de Abreu Sodré. O responsável pela tarefa foi o secretário da Fazenda, Luiz Arrobas Martins, que criou uma comissão para escolha das obras.
Palácio do Horto
Rua do Horto, 931 - Horto Florestal - Entrada Franca.
Informações: (11) 2193-8282 ou pelo site: www.acervo.sp.gov.br
Período: 14 de junho à 31 agosto/ 2008
Sábados, domingos e feriados, das 10 h, às 14 h,
Grupo de 20 pessoas de meia em meia hora.
Todas as visitas são monitoradas
Palácio Boa Vista
Av. Dr. Adhemar de Barros, 3001 - Alto da Boa Vista - Campos do Jordao - SP.
Tel: (12) 3662 1122
Visitação: segunda a quarta feira, de 10h às 12h e de 14h às 16h.
As visitas têm a duração de 1 hora e são acompanhadas por monitores.
Ingresso: R$ 5,00 por pessoa, com desconto de 50% para estudantes e maiores de 60 anos.
Não é permitido fazer fotografias nas áreas internas durante as visitas.