Notícia

Jornal do Commercio Brasil (SP)

País terá mais 50 institutos de pesquisa

Publicado em 15 julho 2008

O ministro da Ciência e Tecnologia, Sérgio Rezende, anunciou ontem, na 60ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), realizada na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), a criação de 50 institutos nacionais de pesquisa em até três anos.

Segundo Rezende, está previsto investimento de pelo menos R$ 270 milhões nesse período, com recursos do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep). O ministro prevê ampliação de recursos, dentro do que ele classificou como "política de Estado, não de governo".

"Esses recursos representam três vezes mais que os recursos do Programa Instituto do Milênio (voltado a pesquisas de temas que exigem laboratórios mais complexos e diferenciados). Estamos contando com a participação de outros ministérios e entidades estaduais, para tentarmos chegar a R$ 400 milhões", afirmou Rezende.

Até 30 institutos serão selecionados por edital para atuação em 13 áreas estratégicas - nanotecnologia; biotecnologia; biocombustíveis; energias renováveis; gás, petróleo e carvão; agricultura; Amazônia e biodiversidade; semi-árido; mar e Antártida; Programa Nuclear; Programa Espacial; meteorologia e mudanças climáticas; e saúde.

Outros 20 institutos trabalharão a chamada livre demanda, temas escolhidos espontaneamente, de acordo com as necessidades do setor de pesquisa e desenvolvimento. A previsão do Ministério da Ciência e Tecnologia é de publicar o edital para seleção de propostas de criação dos institutos no início de agosto e colocar os institutos em funcionamento a partir de dezembro deste ano.

"Vamos ter uma comissão de seleção com membros estrangeiros e brasileiros que estão no exterior, ou seja, pessoas que estão trabalhando num ambiente de fronteiras. Os novos institutos estarão em operação até dezembro deste ano, com toda certeza", disse Rezende. O ministro afirmou que o edital especificará a destinação de 35% dos recursos a centros originários no Norte, Nordeste e Centro-Oeste. "Isso vai dar condições de disputa bem melhores a essas regiões."

Iniciativa privada

Rezende informou que o ministério estuda um conjunto de iniciativas para estimular a pesquisa nas empresas. "Atualmente, existe uma subvenção econômica atrelada à contrapartida da empresa. Hoje, nós temos, não só da Finep mas também do BNDES, incentivos especiais de crédito para inovação nas empresas. Estou convencido de que o que vai fazer com que empresas invistam mais é ver outras empresas investindo mais, competindo melhor porque fazem pesquisa e desenvolvimento."

Rezende anunciou investimentos de R$ 35 milhões do MCT e de R$ 13 milhões da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) na aquisição de um "supercomputador", equipamento novo e com sistema de alta atuação para previsão de tempo e estudo de mudanças climáticas globais. O poderoso sistema tem capacidade de processamento efetivo de 15 TFlops (15 trilhões de operações matemáticas por segundo), o equivalente a 50 vezes mais potência do que os equipamentos utilizados hoje pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

"O equipamento será colocado no novo Centro de Ciências Terrestres do Inpe", informou Rezende. "Toda essa questão de estudo do clima evoluiu muito nos últimos anos. É uma área que envolve muitas variáveis, tem uma dinâmica não-linear complexa e cada vez mais pesquisadores tem de aprender a fazer previsões de curto e longo prazo."

Amazônia

No domingo, após a abertura da reunião da SBPC, Rezende afirmou que o ministério também estuda a criação de vagas e a abertura de concursos para o Museu Paraense Emílio Goeldi, em Belém, e para o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), bem como a valorização dos salários de pesquisadores que optem por trabalhar naquela região.

"Em três anos, aumentamos os recursos orçamentários desses institutos", disse. "Dobramos os valores de algumas bolsas e de menos de 200 doutores que tínhamos trabalhando na Amazônia em 2000, passamos a ter 800", afirmou o ministro, na noite de abertura da reunião, quando o Ginásio Multidisciplinar da Unicamp recebeu mil pessoas. A expectativa da SBPC é de que ao menos 15 mil visitantes compareçam às instalações da universidade até o dia 18.