Notícia

Jornal da USP

Painéis mostram realizações da Educação

Publicado em 26 outubro 1998

Por LEANDRA RAJCZUK
A Faculdade de Educação da USP apresenta a "1ª Mostra de Pôsteres: (Re) conheça a Feusp" com painéis que contam, através de fotos, mapas, gráficos e textos, diversos trabalhos realizados por professores, alunos e funcionários em diferentes áreas do conhecimento Quem passar, até a próxima sexta-feira, pelo saguão principal superior do bloco B da Faculdade de Educação da USP terá uma surpresa. No local há diversas fotos, gráficos, ilustrações, mapas, colagens e textos que contam um pouco das atividades realizadas na faculdade. Inaugurada no último dia 21, a "1ª Mostra de Pôsteres: (Re) conheça a Feusp" - reúne cerca de 60 painéis que apresentam alguns trabalhos feitos por professores, alunos e funcionários de vários departamentos, como o de Metodologia do Ensino, Filosofia da Educação e Administração Escolar, além da Escola de Aplicação, do Centro de Memória e do Laboratório de Brinquedos e Materiais Pedagógicos (Labrimp). Sob a coordenação de Myriam Krasilchik, diretora da Feusp, Sahda Marta Ide, presidente da Comissão de Cultura e Extensão Universitária, e Sydney Mauro Fontanetti, assistente técnico acadêmico, o evento pretende divulgar os trabalhos que vêm sendo desenvolvidos pela comunidade da escola com o objetivo de possibilitar maior intercâmbio de experiências profissionais e acadêmicas. "É uma boa oportunidade para a faculdade se conhecer e se fazer conhecida. É muito importante que os nossos professores possam compartilhar a produção de seus colegas e também envolver os alunos no processo", afirma a professora Myriam. "Queremos mostrar para a comunidade toda a nossa produção científica em projetos de pesquisa, extensão, práticas pedagógicas, produtos e serviços", explica Sahda Marta. "É importante também para a divulgação de trabalhos que têm o apoio de agências fomentadoras, como a Capes, Fapesp, CNPq, e fundações como a Kellog's e a Vitae", completa Myriam. Com dimensão de 53 cm de largura por 95 cm de altura, cada pôster foi elaborado pelos próprios autores e co-autores, sendo que a descrição do trabalho compreende no máximo 30 linhas. Mas a idéia é dar continuidade às montagens dos pequenos painéis para a exposição que fica aberta ao público em geral. A segunda etapa já está marcada para o próximo mês. A "2ª Mostra de Pôsteres da Feusp: Inclusão e Visão Nacional" vai acontecer entre os dias 17 e 27 de novembro no mesmo local. "A meta, agora, é conhecer e difundir as atividades que vêm sendo desenvolvidas pelo Brasil com vistas à integração dos deficientes na sociedade brasileira", afirma Sahda Marta. Os interessados em participar do evento poderão fazer as inscrições (gratuitas) de projetos até o dia 9 de novembro na Seção de Apoio Acadêmico da Feusp, sala 6, térreo, bloco A, das 9h às 11h30 e das 13h às 17h. A montagem do pôster deverá ser feita pelo autor ou pessoas por ele autorizadas, no dia 16 de novembro, no saguão principal, 1º andar, do bloco B da Feusp, devendo seguir uma ordem estabelecida pela Comissão de Cultura e Extensão Universitária. SERVIÇOS À COMUNIDADE Entre os diversos projetos de práticas pedagógicas da "Ia Mostra de Pôsteres: (Re) conheça a Feusp" é possível conhecer o Estudo do Meio: a escola fora dos muros, de educadores da Escola de Aplicação da USP. O projeto desenvolvido com os alunos envolve simultaneamente diversas disciplinas. "O programa Começa com a escolha de um tema interdisciplinar para determinada série e, a seguir, os professores envolvidos realizam um levantamento das possíveis atividades no local escolhido, incluindo a infra-estrutura necessária", ressalta José Cássio Másculo, professor de história da Escola de Aplicação e autor do projeto. "Longe de ser uma ilustração de conteúdos, o estudo do meio é uma pesquisa ativa e experimental." "A Escola na sua Materialidade: estratégias e táticas" visa mostrar as práticas escolares postas em circulação na escola primária carioca, durante a Reforma da Instrução Pública feita pelo educador Fernando de Azevedo, de 1927 a 1930, analisando também o espaço escolar pelo estudo dos objetos colocados à disposição de alunos e professores e, por esses, manipulados. Coordenado por Diana Gonçalves Vidal, o projeto é financiado pela Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) e tem gerado a constituição de outros subprojetos de iniciação científica. O trabalho prevê a publicação de um catálogo no volume da série Cadernos do IEB (Instituto de Estudos Brasileiros), além da elaboração de um CD-ROM para o próximo ano. Constituído em meados de 1993, o Centro de Memória da Educação (CME) vem se organizando como espaço de trabalho interdisciplinar e interdepartamental, com o objetivo de promover a pesquisa e divulgar, de forma integrada, a produção de seus membros no campo da História da Educação Escolar no Brasil. Segundo as coordenadoras Carmen Sylvia Vidigal de Moraes, Denice Barbara Catani e Maria Lúcia Spedo Hilsdorf, o CME, enquanto centro de documentação, visa constituir e organizar acervos documentais do tipo de Bibliotecas Especiais, como a Biblioteca do Livro Didático, Arquivos, Fundos e coleções, além de promover atividades de pesquisa, ensino e prestação de serviço. O centro engloba cinco projetos como Fábricas de Leitura e Impressos, Leituras e Instituições Escolares no Brasil. A Labrimp é um espaço que oferece, além da disputada Brinquedoteca - um lugar mágico com cantinhos especiais para as crianças brincarem no mundo do faz-de-conta-, diversos serviços através de oficinas de montagem e de sucatas, consulta no acervo bibliográfico que contém revistas, recortes de jornais, fotografias, banco de dados sobre brinquedos e brincadeiras, programas especiais e uma visita inusitada ao museu do brinquedo. Sob a coordenação de Tizuko Morchida Kishimoto, professora do Departamento de Metodologia do Ensino e pesquisadora na área da educação infantil, as brincadeiras são acompanhadas pela psicóloga Roseli Aparecida Mônaco e pela pedagoga Ruth Elisabeth de Martin Truzzi. "Nossa função é estimular a expressão livre da criança, permitindo a representação do imaginário, o desenvolvimento da linguagem, a interação social, a estruturação da personalidade e a aproximação com o real", argumenta Ruth. O visitante pode apreciar ainda na mostra os painéis "Museu de Arte e Construção da Cidadania: uma proposta de trabalho de educação da infância" - feito em colaboração com os projetos Minha História, dos alunos do Departamento de História da USP e Avizinhar, da Coordenadoria Executiva de Cooperação Universitária e de Atividades Especiais (Cecae) - ; "Perspectivas de utilização da Internet no Ensino de Língua Portuguesa"; "As Mudanças nas Concepções dos professores do Ciclo Fundamental sobre Ensino e Aprendizagem de Ciências"; "Pesquisa de Opinião como Instrumento Pedagógico"; "Banco de Dados sobre Políticas Públicas": "Levantamento de Fontes Fotográficas para o Estudo da Caligrafia e da Escrita na Escola Pública Elementar Paulista"; e Projeto Educação Continuada (Pec).