Notícia

IDEC

Ovos de galinha produzem medicamentos

Publicado em 16 janeiro 2007

Uma plataforma excelente para a síntese de proteínas utilizadas na produção de medicamentos está em um lugar aparentemente inusitado: em granjas. Ou, mais precisamente, nos ovos das galinhas.

Um novo estudo, que acaba de ser divulgado, descreve o desenvolvimento de aves geneticamente modificadas que produzem proteínas funcionais na clara dos ovos. Segundo os pesquisadores britânicos responsáveis pelo trabalho, o método representa um avanço importante no uso de animais domesticados para a produção em grande escala de substâncias empregadas pela indústria farmacêutica.

O estudo será publicado esta semana no site e posteriormente na versão impressa da Proceedings of the National Academy of Sciences (Pnas). O trabalho foi coordenado por cientistas do Instituto Roslin, na Escócia, e o artigo que descreve os resultados foi comunicado à revista por Ian Walmut, o criador da ovelha Dolly.

Para os pesquisadores britânicos, métodos atuais para a produção de proteínas terapêuticas, como anticorpos monoclonais usados no tratamento de doenças como câncer ou artrite, são caros e demorados. Segundo afirmam, o uso de animais como frangos para a produção em massa das proteínas representa uma alternativa potencialmente mais barata, mais rápida e mais eficiente.

No novo estudo, os cientistas inseriram genes das proteínas farmacêuticas desejadas no gene das aves para a albumina, proteína que representa até 54% das claras dos ovos.

Os pesquisadores verificaram que todas as claras das aves transgênicas continham as proteínas terapêuticas funcionais que esperavam: a miR24, com potencial para o tratamento de melanomas malignos, e o interferon humano b-1a, substância para defesa contra vírus.

"Com a crescente demanda por proteínas terapêuticas, a geração eficiente de aves transgênicas para a produção de drogas funcionais em altos níveis nas claras de ovos marca um passo importante no desenvolvimento dessa tecnologia", afirmam os autores.  

(Fonte: Agência Fapesp)