Notícia

JC e-mail

Os ganhadores do Prêmio Fundação Conrado Wessel de Ciência e Cultura

Publicado em 19 abril 2007

Por Fábio de Castro

Sérgio Mascarenhas, Ricardo Renzo Brentani, Ruth Rocha, Magno Ramalho, Carlos Nobre e Aldo Rebouças são os vencedores do Prêmio Fundação Conrado Wessel de Ciência e Cultura. Cada um receberá R$ 100 mil

A Fundação Conrado Wessel anunciou nesta quarta-feira os nomes dos ganhadores do Prêmio FCW de Ciência e Cultura 2006, concedido a personalidades de reconhecimento nacional em seis categorias.

Os vencedores foram: Sérgio Mascarenhas Oliveira (Ciência geral), Ricardo Renzo Brentani (Medicina), Ruth Rocha (Literatura), Magno Antonio Patto Ramalho (Ciência aplicada ao campo), Carlos Afonso Nobre (Ciência aplicada ao meio ambiente) e Aldo Cunha Rebouças (Ciência aplicada à água).

Os perfis dos escolhidos, de acordo com a FCW, revela "qualidades de talento inovador, liderança, abrangência social, trabalho incansável, integridade e ética". O prêmio concedido a cada ganhador será de R$ 100 mil isentos de impostos. A cerimônia de entrega será realizada no dia 4 de junho, na Sala São Paulo, a partir das 19h30.

"É um imenso privilégio. Não esperava ganhar, sobretudo na categoria mais ampla", disse Mascarenhas à "Agência Fapesp". Membro da Academia Brasileira de Ciências desde 1951, quando foi eleito aos 23 anos, o cientista deu vasta contribuição à física durante toda a carreira.

Mascarenhas é professor aposentado da USP e coordenador do Instituto de Estudos Avançados de São Carlos, por ele fundado em 1996.

O cientista descobriu um novo fenômeno, a eletro-termo-condutividade, cujas aplicações práticas são internacionalmente reconhecidas, em especial na escolha de características para dielétricos líquidos em transformadores de alta tensão.

Mascarenhas também criou o conceito de bioeletretos em moléculas biológicas e introduziu no Brasil a cirurgia criogênica e a tomografia computadorizada em física de solos. Hoje, prioriza a dedicação à tecnologia educacional e à divulgação científica. "Meu foco agora é o problema do ensino público escolar e universitário. Vou investir o prêmio em projetos nessa área", afirmou.

Ricardo Renzo Brentani, diretor-presidente do Conselho Técnico-Administrativo da Fapesp, foi o vencedor na categoria Medicina. É professor titular da Faculdade de Medicina da USP, diretor presidente do Hospital do Câncer A.C. Camargo e coordenador do Centro Antonio Prudente para Pesquisa e Tratamento do Câncer, um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (Cepid) da Fapesp.

"Acho muito importante que a sociedade reconheça os méritos de quem se dedica à ciência. O Prêmio FCW distingue tanto trabalhos de pesquisa como atuações bem-sucedidas na gestão de instituições científicas e tecnológicas", disse.

Brentani também foi diretor do Instituto Ludwig de Pesquisa sobre o Câncer por 22 anos e teve um papel importante na consolidação do Instituto de Radiologia do Hospital das Clínicas.

Carlos Nobre, vencedor na categoria Ciência aplicada ao meio ambiente, é pesquisador titular do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e foi, por 12 anos, coordenador-geral do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC), ligado ao mesmo instituto.

Nobre atuou, entre 1996 e 2002, como coordenador científico do Experimento de Grande Escala da Biosfera-Atmosfera na Amazônia (LBA). Especialista em temas como modelagem climática na Amazônia, interação biosfera-atmosfera e desastres naturais, é presidente do Comitê Científico do International Geosphere-Biosphere Programme (IGB).

Aldo Rebouças, premiado na categoria Ciência aplicada à água, é professor do Instituto de Geociências da USP. Com doutorado pela Universidade de Estrasburgo (França) e pós-doutorado na Universidade de Stanford (Estados Unidos), é considerado uma das principais referências em recursos hídricos no país.

O ganhador da categoria Ciência aplicada ao campo, Magno Ramalho, é professor titular da Universidade Federal de Lavras. O agrônomo atua na área de genética, com ênfase em genética quantitativa voltada para o melhoramento genético de culturas vegetais.

A vencedora na categoria Literatura, Ruth Rocha, é uma das principais autoras brasileiras de literatura infantil. Adaptou e traduziu mais de 60 títulos. Em 1993, recebeu os prêmios Jabuti de Melhor Produção Editorial, Obra, Coleção e Melhor Produção Editorial Infantil, pela coleção O Homem e a comunicação. Em 2001, ganhou o prêmio de Literatura Infantil da Academia Brasileira de Letras, pela adaptação da Odisséia, de Homero.

Mais informações: http://www.fcw.org.br

(Agência Fapesp, 19/4)