Notícia

DCI

Opto Eletrônica, de incubada a exportadora de equipamentos

Publicado em 14 dezembro 2002

Por FABIANA PIO
Cinco pesquisadores do grupo de óptica do Instituto de Física da USP de São Carlos resolveram se unir para fundar a Opto Eletrônica. Primeira empresa a integrar o Parque de Alta Tecnologia São Carlos (Parqtec), a Opto tem atualmente duas unidades no Brasil, filiais no México e Estados Unidos. Cresce cerca de 30% ao ano, exporta para todos os continentes do mundo e detém 35% do mercado mundial de refletores da área odontológica, que movimenta anualmente cerca de US$ 1 milhão. Segundo Antônio Fontana, diretor comercial da Opto Eletrônica, os principais fatores de expansão da empresa são o investimento anual de 8% da receita em pesquisa e desenvolvimento (P&D) e a atuação em diferentes segmentos da indústria. "Atuamos em cinco áreas e criamos freqüentemente novos equipamentos", diz o executivo. Fundada em 1985, a Opto nasceu com 30 funcionários e está sediada em São Carlos. O escritório comercial está localizado em São Paulo e há diversos representantes da empresa espalhados no País. Há ainda filiais como Opto Sul, em Porto Alegre, Opto LA, no México, e Opto USA, em Miami. Para ser criada, a Opto recebeu recursos da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), contando até hoje com o apoio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para a aquisição de máquinas. Atualmente, a Opto tem 185 funcionários e irá faturar neste ano R$ 25 milhões. A empresa fabrica equipamentos ópticos e lasers para aplicações em medicina, odontologia e indústria, realiza tratamento anti-reflexo e anti-risco em lentes oftálmicas, e desenvolve soluções e equipamentos óptico-eletrônicos de alta tecnologia. Os equipamentos médicos e oftalmológicos representam 40% da receita da Opto. Já os refletores para área odontológica são responsáveis por 22% do faturamento da empresa, o tratamento de lentes anti-reflexo, 20%; os equipamentos industriais, 8%; e a área militar, 10%. PRODUTOS INÉDITOS O primeiro equipamento desenvolvido pela Opto foi o sacarímetro. Baseado em fenômenos ópticos, o produto inédito no Brasil foi criado para medir a concentração de açúcar na cana. "Desenvolvemos o equipamento e prestamos consultoria para uma empresa participante do Pró-ÁIcool. Com o dinheiro, reinvestimos na companhia", diz o executivo da Opto. Outro equipamento inédito foi o sistema de retinografia, que permite tirar fotos da retina do olho e obter o diagnóstico em tempo real. A Opto desenvolveu também máquinas industriais a laser, que são utilizadas por todas as fabricantes de pneus do País, como Goodyear. Pirelli e Firestone. A luz do laser permite medir a qualidade da borracha sem estabelecer contato físico com o produto. Assim, há diagnósticos mais precisos. A Opto produz também componentes ópticos e equipamentos a laser para uso na área militar. PARQTEC A Fundação Parque Tecnológico (Parqtec) foi a primeira incubadora da América Latina. Fundada há 18 anos em São Carlos, cerca de 60 empresas já passaram pela instituição. Atualmente, o Parqtec abriga 15 empresas e forma cerca de quatro empresas a cada ano. Além disso, a Fundação tem o Centro de Prototipagem Rápida, para a criação de novos produtos por meio do computador, e um Centro Cerâmico, para o estudo de novos materiais nessa área. Segundo Sylvio Rosa, presidente do Parqtec, atualmente participam desses projetos cerca de 11 profissionais, que já atenderam mais de 100 empresas.