Notícia

Folha Dirigida

Opções para todos no estado de São Paulo

Publicado em 26 janeiro 2009

Atravessando um momento de franca expansão, a educação a distância, já consolidada entre as instituições particulares, chega agora às universidade públicas. Além da Universidade Aberta do Brasil (UAB), do governo federal, uma proposta semelhante unirá as três universidades estaduais de São Paulo - USP, Unesp e Unicamp - em volta da oferta da EAD. Trata-se do projeto da Universidade Virtual do Estado de São Paulo (Univesp).

Além das três instituições de ensino superior, também participam da parceria o Centro Paula Souza, a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), Fundação de Desenvolvimento Administrativo Paulista (Fundap) e a Fundação Padre Anchieta.

A universidade terá, já em 2009, uma oferta de 6.600 vagas de nível superior e 110 mil em pós-graduação, com pólos distribuídos em 70 cidades em todo o estado. Os cursos de graduação confirmados são: Pedagogia (USP/Unesp), com cinco mil vagas; Licenciatura em Ciências (USP), com 900 vagas; e Licenciatura em Biologia (USP), com 700 vagas. A Univesp também deverá contar com 16 cursos de pós-graduação para professores, sendo que três deste cursos serão voltados à gestão de instituições de ensino.

"O curso de Pedagogia da Unesp já foi aprovado em todas as instâncias da universidade e deve começar as suas atividades no dia 1 ° de agosto de 2009. Na USP, já foi aprovado o curso de especialização em Ética e Saúde na Escola que deve ser oferecida ainda no primeiro semestre", revela o coordenador técnico do programa, Waldomiro Loyolla. O processo seletivo para estes cursos deverá acontecer em breve.

De acordo com o coordenador, o curso de Pedagogia da Unesp será inicialmente voltado para professores em exercício no estado, tanto na rede pública quanto na particular. A medida pretende suprir a carência de docentes com diploma de nível superior em São Paulo. "Esta primeira oferta para professores em exercício é para tentar resolver este problema, uma vez que a Lei de Diretrizes e Bases da educação nacional, editada em 1996, estabelecia que em dez anos todos os professores do país deveriam ter uma graduação", argumenta. Caso as vagas não sejam preenchidas pelos professores em exercício, o curso será aberto para toda a sociedade.

O programa de ensino a distância utilizará ferramentas como a internet, a televisão, através da TV Univesp - transmitida no segundo canal digital da TV Cultura -, telefone (por um canal 0800) e material de apoio desenvolvido pelas instituições envolvidas. Loyolla classifica a iniciativa como a "democratização do ensino superior público de São Paulo". Isso porque o programa pretende atingir as regiões mais remotas do estado, onde a universidade ainda não chegou fisicamente. "Isso só se consegue através do uso da tecnologia, pois não dá para implantarmos campi da USP, Unesp e Unicamp em 70 cidades", observa. "No passado, as grandes universidades se localizavam nas principais cidades do país. Só que a população que vivia fora destes eixos estava impossibilitada de fazer um curso público. Agora esta oferta começa a se oferecer de forma mais democrática”, finaliza.