Notícia

USP - Universidade de São Paulo

Obra reúne produção do cientista Paulo Vanzolini em livro e CD-ROM

Publicado em 19 outubro 2010

Por Camila Camilo/USP

Nem sempre um nome importante da ciência tem, ainda em vida, toda sua obra reunida em uma única publicação. Raras são também as oportunidades em que o autor participa da seleção deste material. Diferentemente dessa rotina, o livro Evolução ao nível da espécie: reptéis na América do Sul (Editora Beca, 650 pp, R$120;00), reúne todos os artigos produzidos pelo pesquisador Paulo Vanzolini em seus 60 anos de pesquisa. A expressão latina Opera Omnia, que significa totalidade da obra de um teórico ou escritor, aparece logo na capa. Tudo o que eu escrevi minha vida inteira está lá , confirma Vanzolini, professor emérito do Instituto de Biociências (IB) da USP.

Virginio Mantesso-Neto, um dos organizadores da obra, conta que o livro foi elaborado com a participação direta de Vanzolini e contém 47 artigos designados por ele como a coluna vertebral de sua pesquisa. Outros cem estão em um CD-ROM anexo, que traz também o documentário Calangos do Boiaçu, filmado em 1992 pelo cineasta Ricardo Dantas. O filme mostra a metodologia do trabalho de campo para a coleta de exemplares, fase importante do trabalho de pesquisa em zoologia. São mais de 100 artigos. Se fôssemos imprimi-los, daria quase três mil páginas , conta Virginio. Os artigos estão organizados em um sistema de busca por termo, que facilita a pesquisa.

Vanzolini explica que todos os artigos tratam de zoologia e da Teoria dos Refúgios, da qual é autor. A famosa teoria, que contou com a colaboração do também professor emérito da USP, o geógrafo Aziz Ab Saber, é, segundo a professora Francisca Carolina do Val, do IB, um modelo.

Até então, havia um mito de estabilidade , que explicava a biodiversidade da Amazônia como resultado de períodos longos de estabilidade climática e geológica, o que teria facilitado a reprodução. Na década de 1960, Vanzolini percebeu que esta diferenciação poderia ser explicada resgatando-se conceitos usados nos estudos da diferenciação das aves na Europa.

Segundo a Teoria dos Refúgios, no último 1,6 milhão de anos, a América do Sul teria passado por variações climáticas frequentes. Na última glaciação, entre 18 mil e 14 mil anos atrás, em locais com maior pluviosidade, teriam se formado nichos geográficos com florestas tropicais, intercalados por vegetação de cerrado. Neles, animais não acostumados com o frio teriam encontrado condições para sobreviver. E processos evolutivos diferentes teriam ocorrido em cada um destes espaços. Com o aumento de temperatura, os animais abandonaram estes refúgios , ou redutos , e voltaram a se encontrar.

Além de explicar a diferença de concentração de populações endêmicas em certas áreas da floresta, o modelo proposto por Vanzolini fortalece a suposição de que a floresta expandiu e regrediu, contribuindo para a variação de espécies. Francisca explica que existe uma plasticidade genética entre as espécies e o modelo proposto não vale para todos os animais. E destaca a visão da evolução, da fauna e da população que o professor teve ao formular a Teoria dos refúgios, o que está, segundo ela, relacionado ao fato de Vanzolini ser um pesquisador de campo.

Importância para a ciência

Na cerimônia de lançamento do livro, a professora ressaltou a importância do trabalho de Vanzolini ao trazer a dimensão evolutiva e populacional para a pesquisa . Ela conta que hoje ainda existem pesquisadores que usam a metodologia topológica, mas a dimensão populacional utilizada por ele foi uma inovação. No prefácio do livro, o professor Celso Lafer, da Faculdade de Direito (FD) da USP e presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), aponta o autor como um pioneiro nos temas ambientais atuais.

Em 1963, Vanzolini tornou-se diretor do Museu de Zoologia (MZ) da USP - cargo que exerceu até 1992 - e foi o responsável por organizar a coleção de 300 mil espécies do museu, a maior do Brasil. A professora Francisca, que trabalhou com Vanzolini, conta que ele era um administrador exigente, e que o acervo que organizou serve hoje à zoologia e contribui para pesquisadores de várias áreas da ciência. Sobre este período, o autor diz que o museu estava muito atrasado intelectualmente, todo mundo queria fazê-lo ir para a frente , e que trabalhar ali foi a melhor coisa que aconteceu na sua vida.

Outra importante contribuição do professor foi a criação da Fapesp. Ele conta que sabia que a Constituição Estadual Paulista de 1947 garantia a reserva de verba para um fundo de amparo à pesquisa e, conjuntamente com outros pesquisadores, participou do grupo que se mobilizou para a criação da fundação.

No fim da cerimônia de lançamento do livro, ocorrido na última sexta-feira (15) na sede da Fapesp, Paulo Vanzolini se declarou um homem de sorte , que contou com apoios importantes ao longo da sua carreira, inclusive da Universidade. Devo muito à USP , finalizou.

Serviço

Evolução ao nível da espécie: reptéis na América do Sul é publicado pela Editora Beca. Mais informações pelo telefone (11) 3766-2526.