Notícia

Universia Brasil

Obra debate universidade e o futuro do país

Publicado em 25 setembro 2006

Por Thiago Romero

A Universidade de Brasília (UnB) resolveu enriquecer o debate sobre problemas estratégicos do país. A instituição de ensino localizada na capital federal está lançando o livro Brasil em Questão: a universidade e o futuro do país.

O lançamento será nesta segunda-feira (25/9), em Brasília. A obra reúne, em 440 páginas, artigos de mais de 40 especialistas e é fruto do ciclo de debates "A universidade e a eleição presidencial", realizado entre maio e agosto deste ano.

"O registro da visão de pensadores em áreas estratégicas, sem interesses partidários, é a melhor contribuição que uma universidade pode dar nesse período de eleições. Trata-se de um corte transversal na situação atual do país que irá auxiliar os futuros governantes na tomada de decisões em várias áreas de interesse público", disse Timothy Mulholland, reitor da UnB, à Agência FAPESP.

No ciclo de debates, profissionais das mais diferentes áreas do conhecimento, entre representantes dos setores acadêmico, político e empresarial, estiveram presentes nas sessões, que foram assistidas por mais de 600 alunos de graduação.

Organizada por Mulholland e por Dóris Faria, coordenadora do Laboratório de Estudos do Futuro (LEF) da UnB, a obra, que será entregue aos candidatos à Presidência e também vendida na própria universidade, é dividida em quatro eixos temáticos: "Educação e Cultura", "Ciência, Tecnologia e Inovação", "Sociedade e Economia" e "Construção do Futuro".

São apresentadas nos artigos propostas para as mais diversas áreas, entre as quais indústria, economia, ensino superior, matrizes energéticas, meio ambiente, eqüidade social, saúde e fragmentação regional. A lógica do desenvolvimento nacional é discutida sob a ótica da sustentabilidade.

Para Mulholland, um dos pontos-chave do livro é a reflexão sobre o desenvolvimento industrial do país. Segundo ele, dos milhares de novas idéias para a criação de um produto inovador, são muito poucas as que dão certo.

"Isso é reflexo da falta de planejamento das indústrias nacionais. Países como a Índia e a Coréia do Sul, que já estiveram em posição de desvantagem, hoje deixam o Brasil para trás no que diz respeito à inovação tecnológica", disse o reitor da UnB.

Mais informações: www.unb.br/brasilemquestao. [Fapesp]