Notícia

Conesul News

Obesidade pode estar ligada a bactéria encontrada na boca

Publicado em 06 novembro 2009

Agência FAPESP

Uma pesquisa realizada no Instituto Forsyth, em Boston, Estados Unidos, com participação do professor Francisco Carlos Groppo, da Faculdade de Odontologia de Piracicaba (FOP) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), encontrou forte associação entre a obesidade e uma bactéria encontrada na boca, chamada Selenomonas noxia.

Para o estudo, foram selecionados 313 pacientes saudáveis do sexo feminino, que apresentavam sobrepeso ou obesidade. Os resultados apontaram um grau elevado da presença do microrganismo em mais de 90% das mulheres.

Grouppo disse que a bactéria foi encontrada em quantidade muito superior ao normal nas pessoas obesas, a tal ponto que seria possível identificar um indivíduo obeso simplesmente pela presença de certa concentração dessa bactéria em sua boca.

"Esse é o primeiro estudo que aponta uma bactéria da boca como tendo implicação na obesidade. Sabemos que várias outras doenças têm implicação direta com bactérias da boca", explicou o professor.

A bactéria Selenomonas noxia não depende de oxigênio para sobreviver e é frequentemente encontrada em pacientes com periodontite.

Apesar da descoberta, o pesquisador afirma que não é possível ainda tirar conclusões definitivas. "Não dá para saber se é a bactéria que causa a obesidade ou se a patologia é que provoca a alta concentração da bactéria", ressaltou.

Segundo Grouppo, curiosamente, a Selenomonas noxia é do mesmo grupo de microrganismos que, no passado, foram encontrados no intestino e estavam relacionados com a obesidade. "Além disso, ela está associada também a abortos", acrescentou.

O estudo permite levantar algumas hipóteses. Para o professor, talvez o organismo dos obesos possa gerar nutrientes específicos para essa bactéria, fazendo com que ela se multiplique além do normal.

Ele acredita que também é possível que a bactéria produza substâncias químicas na boca que, uma vez absorvidas, poderiam aumentar a sensação de fome.

Groppo alerta para a necessidade de cuidados com a saúde bucal: "É preciso frisar para a população em geral a necessidade de procurar atendimento odontológico. Esse estudo é mais uma mostra de que a saúde começa pela boca.