Notícia

Revista Nacional da Carne

O Teçam e a biotecnologia: detecção de alimentos transgênicos

Publicado em 01 fevereiro 2002

O laboratório Teçam está comemorando 10 anos de atuação realizando análises físico-químicas, microbiológicas, toxicológicas e ecotoxicológicas para os mais diversos segmentos do mercado. Neste ano, está inaugurando suas novas instalações em duas unidades, constituindo um total de 2.000 m2 de área construída. Na estrutura atual, está lançando uma nova análise para atendimento às indústrias de alimentos, que permite distinguir os alimentos geneticamente modificados dos convencionais. Este serviço possibilita ao fabricante controlar a produção para satisfazer às exigências do mercado e da legislação, bem como trabalhar de acordo com suas próprias especificações. O método padronizado pelo Teçam, da Reação de Polimerase em Cadeia (PCR), é extremamente sensível e específico e permite identificar alimentos geneticamente modificados pela detecção da seqüência de DNA (gene) introduzida em um vegetal convencional. Tal detecção é realizada no laboratório de Biologia Molecular da Divisão de Alimentos do Teçam, cuja estrutura conta com profissionais especializados e equipamentos de ponta, importados da Europa e dos Estados Unidos, a partir do apoio do programa de "Inovação Tecnológica em Pequenas Empresas - PIPE" da FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo). Um requisito obrigatório para empresas que trabalham com organismos geneticamente modificados (OGMs) é o Certificado de Biossegurança, conferido pela CTNBio (Comissão Nacional de Biossegurança), e que foi obtido pelo Teçam no ano de 2001 (CQB n°153/01). Com a adição "de mais este serviço, que estará em operação a partir de março de 2002, o Teçam mantém a sua política de aprimoramento e inovação constante para melhor atender às necessidades de seus clientes.