Notícia

A Granja

O que o mundo pesquisa

Publicado em 01 janeiro 2013

Por Rafael Camargo do Amaral

Dentro do contexto de produção de ruminantes, tanto os destinados à produção de carne como os de leite, observa-se aumento na demanda por forragens conservadas, na forma de feno e, principalmente, silagem e verificase elevada demanda para as silagens. Este volumoso permite ao produtor flexibilidade no manejo e constância na qualidade do alimento ao longo do ano, o que permite exploração de desempenho animal satisfatório.

Com o aumento na demanda para produção de silagens, a comunidade científica está sendo cada vez mais acionada, principalmente, pela razão de a etapa de conservação de forragens ser geradora de perdas, ou seja, o processo fermentativo causa perdas de matéria em função da conversão dos componentes solúveis da planta em ácidos orgânicos, gás carbônico e calor. Dessa forma, todos os esforços que se encontram nas pesquisas científicas têm por principal objetivo maximizar a recuperação dos nutrientes ao longo de todo o processo fermentativo da forragem e, assim, tornar o processo mais eficiente.

A cada três anos a comunidade científica mundial pertencente a assuntos relacionados à conservação de forragens se reúne em um congresso chamado International Silage Conference.

No ano de 2012, o evento foi realizado na cidade de Hammellina, na Finlândia. O congresso teve participação de 35 países, com o total de 212 publicações científicas com enfoque em conservação de forragens. O grande destaque foi para os países pertencentes ao continente europeu, os quais apresentaram 59,4% dos trabalhos publicados, seguido pela Ásia, com 18,4%. A América Latina ficou em terceiro lugar, com publicação de 24 artigos científicos.

Dentre os 24 artigos publicados pela América Latina, o Brasil teve a maior participação, com a publicação de 70,8% dos trabalhos dentro desta região, seguido por Colômbia, Porto Rico e Nicarágua.

Entretanto, quando deixamos de comparar as publicações por regiões e passamos a uma comparação mundial, o Brasil assume a quarta colocação em número de trabalhos publicados, o que demonstra o grande enfoque que o país vem dando nessa área de conhecimento. Apesar da demanda por parte dos produtores em trabalhos científicos relacionados ao tema, esse resultado também é atribuído ao grande foco dado pelas principais universidades do nosso país, as quais vêm tendo elevado apoio financeiro de entidades governamentais, como Capes, CNPq, e, dentro do estado de São Paulo, também pode ser destacada a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP).

Apenas relacionando os trabalhos desenvolvidos na América Latina, os três principais temas abordados foram: 1) Nutrição, 2) Aditivos, 3) Vedação.

NUTRIÇÃO

Antigamente, existia grande dificuldade em se observar trabalhos sobre silagens com enfoque no estudo do desempenho de animais, especialmente, pelos elevados custos para condução de experimentos. Hoje, a realidade começa se modificar e um dos responsáveis pelo aumento nesse tipo de pesquisa pode ser atribuído à grande necessidade de conhecimento sobre como determinado animal desempenha com diferentes silagens. A grande diferença quando se compara uma forragem recém-cortada no campo ou pastejada pelo animal e sua respectiva conservação é que a silagem, além de fibra, proteína e carboidratos que a planta in natura possui, também apresenta ácidos orgânicos produzidos durante o processo de fermentação, sendo estes fontes de energia para o ruminante e contribuidores em grandes proporções para a fermentação ruminal. Os trabalhos envolvendo nutrição foram relacionados principalmente aos efeitos de silagens com o desempenho animal, parâmetros ruminais, produção de bovinos de corte e bovinos de leite.

ADITIVOS

O tema aditivos se refere ao estudo de bactérias utilizadas na fermentação das silagens, bem como o uso de ácidos e enzimas. O grande objetivo para pesquisas com aditivos é a obtenção de silagens de melhor qualidade. Apesar de as culturas ensiladas apresentarem bactérias epifíticas, aquelas que são intrínsecas à cultura a ser ensilada, para o processo de ensilagem, a bactéria desejável é aquela que produza ácidos específicos, como o ácido lático.

Geralmente, as bactérias epifíticas produzem outros ácidos, os quais podem prejudicar o processo ou reduzir a eficiência do processo pelo aumento das perdas de matéria seca. Por outro lado, o ácido lático é o grande responsável pela queda do pH durante o processo de fermentação da planta, sendo chamado de ácido forte, pelo fato de apresentar elevado poder de redução de pH.

No processo fermentativo, a partir do momento em que este pH se reduz a valores abaixo de 4,0, o processo de fermentação se encerra, pelo fato do baixo pH inibir os micro-organismos presentes na silagem e até mesmo aqueles que produziram o ácido. Assim, maximizar a fermentação tem como sinônimo reduzir o pH da planta o quanto antes possível. O uso de aditivos tem com primeiro objetivo fazer com que a fermentação ocorra em tempo curto e isso é possível quando se faz o uso de bactérias selecionadas para a produção de ácidos específicos.

Com relação aos aditivos utilizados (Figura 2), nos trabalhos da América Latina, observa-se que as bactérias mais utilizadas foram Lactobacillus plantarum e Lactobacillus buchneri, sendo que, dentre os ácidos, o único mencionado foi o benzoato de sódio.

A bactéria Lactobacillus plantarum é largamente estudada por sua grande habilidade na produção de ácido lático, o principal ácido para redução de pH.

O grande destaque dado à bactéria Lactobacillus buchneri se dá devido a sua grande ação preventiva na redução da deterioração aeróbia de silagens, ou seja, perdas que ocorrem após a abertura do silo.

Este tipo de perda está relacionado à presença de oxigênio, inevitável durante o período em que o silo está em uso. Pelo fato da presença de oxigênio, uma classe de micro-organismos inicia a deterioração da silagem, que são as leveduras. Essas são as grandes vilãs da deterioração aeróbia, as quais consomem da silagem grande parte dos componentes solúveis e de elevada digestibilidade, além de consumirem o ácido lático produzido durante a fermentação. O resultado visual para atuação desses micro-organismos é a elevação da temperatura da silagem, resposta da atividade metabólica de oxidação dos nutrientes.

A bactéria Lactobacillus buchneri tem sido estudada intensivamente pelo fato de, além de produzir ácido lático, também resultar em ácido acético, o qual tem elevado poder antifúngico, controlador da atividade das leveduras e responsável pela redução das perdas de matéria seca no pós-abertura.

As bactérias do gênero Pediococcus e Enterococcus estão relacionadas fortemente com a ensilagem de gramíneas.

Estas bactérias têm grande habilidade de início de fermentação em tempo inferior às outras bactérias. Outro fato é que em gramíneas a queda do pH é mais lenta, principalmente, devido à elevada umidade. Dessa forma, essas bactérias também sobrevivem e fermentam em pH acima de 4,5.

A bactéria Lactococcus lactis, além de ser uma bactéria produtora de ácido lático, produz uma bacteriocina chamada nisina, a qual tem grande controle sobre o desenvolvimento de bactérias do gênero Clostridium.

L. lactis tem grande emprego em silagens que apresentam elevada umidade, local onde se desenvolvem os clostrídeos, bactérias que prejudicam muito a qualidade da silagem, pelo fato de degradarem proteínas da planta e produzirem compostos com odores que causam redução da ingestão de matéria seca.

VEDAÇÃO

O tema vedação traz consigo estudos relacionados com diferentes lonas e seus impactos na qualidade da silagem e na sua deterioração. Atualmente, grandes enfoques têm sido dados à vedação de silos, tema que antigamente foi pouco abordado em função de o mercado disponibilizar apenas um tipo de lona.

Nos primórdios, a recomendação foi para o uso de lonas pretas, porém, foi verificado que o elevado aquecimento deste tipo de lona trazia prejuízos ao processo e, dessa forma, desenvolveram a lona de coloração branca, tendo o objetivo de reflexão de parte da radiação solar e, assim, reduzir a temperatura da lona. Entretanto, o maior avanço foi na substituição do polímero para confecção da lona, pois mesmo uma lona dupla face ou branca ainda apresentava elevada permeabilidade ao oxigênio (troca de oxigênio entre o ambiente externo e o interior do silo).

O destaque dado ao tema vedação de silos é o surgimento de novos polímeros destinados para a confecção das lonas. A grande diferença que se existem entre os polímeros utilizados para confecção de lonas está relacionada com a permeabilidade que a lona apresenta ao oxigênio. O significado para uma lona com elevada permeabilidade ao oxigênio é a sua elevada propensão ao aumento de perdas na camada superior do silo, com geração, além de uma capa negra (silagem deteriorada), de elevada presença de fungos e micotoxinas. Um exemplo para valores de permeabilidade ao oxigênio para a lona dupla face são valores de 1.000 ml/m2/dia em uma temperatura de 25oC.

O grupo de maior quantidade de estudos está relacionado ao uso de milho e sorgo, com 41,7% dos trabalhos gerados.

Plantas de milho e sorgo têm sido destinadas à ensilagem tanto para a produção de bovinos de corte como de leite. Provavelmente, a grande justificativa para seu maior uso é a elevada qualidade nutricional. Tanto o milho quanto o sorgo apresentam elevadas concentrações de amido, componente energético importante para o desempenho animal. Outro fato pode ser relacionado à facilidade de colheita e à ótima fermentação.

As silagens de gramíneas e leguminosas vêm em segundo lugar e são muito utilizadas com função de fornecimento de proteína (gramíneas e leguminosas temperadas) e também são fornecedoras de fibra longa, responsável pela manutenção da saúde ruminal.

A silagem de cana-de-açúcar vem ganhando destaque no cenário nacional, porém, sua grande vantagem está relacionada à elevada produtividade por área, o que pode trazer benefícios ao sistema de produção quando se fala na redução de custos.

Deve-se ressaltar que a importância do tema conservação de forragens cresce a cada ano, onde se observa incrementos no profissionalismo para a confecção desse tipo de alimento.

Conforme demonstrado neste artigo, se pode inferir que a América Latina vem apresentando destaque com o tema conservação de forragens, gerando conhecimento local aplicável às condições dessa região. O Brasil apresenta excelência em pesquisas relacionadas ao tema da conservação de forragens e por essa expressão sediará, em 2015, o próximo congresso mundial de silagem.

* Rafael é Zootecnista, mestre e doutor pela USP/ESALQ - rafael.amaral@delaval.com