Notícia

JC e-mail

O programa da Reunião Regional de SP sobre ciência, tecnologia e inovação

Publicado em 15 agosto 2001

Coração econômico e industrial do Brasil e principal pelo de pesquisa e desenvolvimento de novas tecnologias, SP discutirá nesta quinta e sexta-feira (16 e 17/8) o futuro da C7T no estado e no país. A reunião é preparatória à Conferência Nacional de C&T&I. que será realizada em Brasília, de 18 a 21/9, e dela participarão representantes do meio científico e empresarial, dos governos estadual e federal, de instituições de ensino, de entidades de classe e do Terceiro Setor, dentre outros setores da comunidade paulista. Na forma de simpósios, os participantes vão analisar e discutir as experiências locais e a diversidade de ambiente da região que caracterizam o Estado e, principalmente, vão apresentar proposições que devem ser incorporadas aos grandes temas definidos para a Conferência Nacional. Três simpósios temáticos constam do cronograma da Reunião Regional: Como Transformar Conhecimento em Valor Econômico e Social I e II e As Bases do Desenvolvimento Científico e Tecnológico. O evento paulista está sendo organizado pela Fundação de Amparo 'a Pesquisa do listado de SP (Fapesp), pela Secretaria de Ciência, tecnologia e Desenvolvimento Econômico de SP e pela Assembléia Legislativa, que sediará o encontro. Programação do evento: Nesta quinta-feira pela manha: C&T&I e Desenvolvimento Econômico Simpósio: Como Transformar Conhecimento em Valor Econômico e Social - I Inovação Tecnológica. P&D e seus impactos O apoio à Inovação Tecnológica. No mesmo dia à tarde: C&T&I e Qualidade de Vida Simpósio: Como Transformar Conhecimento em Valor Econômico e Social - II C&T&I e Qualidade de Vida I C&T&l e Qualidade de Vida II Na sexta-feira pela manha: Simpósio: As bases do desenvolvimento científico e tecnológico: No Caminho do Futuro Desafios Estratégicos Na tarde: Desafios Institucionais Conclusões e encerramento do evento Informações com a Assessoria de Imprensa da Fapesp, no fone (11) 38384006, ou pelos sites www.fapesp.br (Assessoria de Comunicação do MCT) 13. CIENTISTA FAZ PEDIDO DE PATENTE PARA DROGA CONTRA EPILEPSIA Evanildo da Silveira - escreve para "O Estado de SP" Depois de quatro anos de pesquisa, uma equipe da Universidade Federal de SP (Unifesp), coordenada pelo medico Luiz Eugênio Araújo de Moraes Mello, do laboratório de Neurofisiologia, entrou com o pedido de registro de patente, no Brasil e em mais de 30 países, da primeira droga com potencial para evitar o surgimento da epilepsia pós-traumática, doença que afeta entre 15 e 50% das vitimas de traumatismo craniano grave. Trata-se de um medicamento feito de sais de escopolamina, usados para provocar amnésia. Em testes de laboratório, a nova droga foi capaz de evitar o aparecimento da doença em 15% dos ratos que sofreram graves lesões no cérebro. "Nossa intenção foi explorar a capacidade que a escopolamina tem de provocar perda de memória", explica Mello. "A amnésia temporária é uma condição necessária para bloquear a epilepsia." Segundo Mello, é algo semelhante ao coma induzido, procedimento usado pelos médicos para diminuir a atividade do cérebro. "Ao sofrer uma lesão aguda, por exemplo, o cérebro tenta se recuperar, reorganizando os neurônios restantes para que retomem suas funções normais." Esse reordenamento, porem, nem sempre dá certo. Podem ficar seqüelas como a epilepsia. Os pesquisadores supõem que isso ocorra quando a reorganização é feita de forma rápida e atabalhoada. "Com a escopolamina, tentamos frear um pouco esse processo, tornando-o mais lento e gradual", explica. Convulsões - De acordo com Mello, mesmo entre os ratos que não ficaram curados, o uso do medicamento mostrou resultados encorajadores. "As convulsões demoraram três vezes mais tempo para ocorrer ou manifestaram-se isoladamente e em menor freqüência", conta. O próximo passo no desenvolvimento do novo remédio são os testes em macacos, que deverão estar concluídos dentro de um ano. Em seguida, serão inciadas as experiências em humanos, que durarão cinco anos, quando a nova droga poderá' ser colocada 'a venda. (O Estado de SP, 15/8) 16. IPT pretende lançar Rede Paulista de Inovação Empossada nesta segunda-feira, a nova diretoria do Instituto de Pesquisas Tecnológicas de SP (IPT) já está com uma serie de propostas a serem implementadas. Um dos projetos previstos é a formação de uma Rede Paulista de Inovação Tecnológica, que envolveria Universidades, instituições e agremiações, como a Federação das Indústrias de SP (Fiesp) e a Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das Empresas Inovadoras (Anpei). A rede colocaria em pauta discussões sobre propriedade intelectual, como tratar da cooperação entre Universidades e empresas e como aumentar a cultura de patentes no país. Outra meta é ampliar a participação do IPT em projetos governamentais. Na cerimônia de posse da diretoria, foi assinado um acordo de cooperação técnica em 43 projetos com a Secretaria da C&T e Desenvolvimento Econômico de SP. Nas parcerias, o objetivo é engordar o orçamento do instituto, hoje cerca de R$ 100 milhões, metade do qual é transferido do governo do estado. A outra metade vem da prestação de serviços e de projetos diversos. O grande alvo, no entanto, é retomar o papel de liderança do IPT. "Queremos transformá-lo em um verdadeiro portal da tecnologia", afirma o diretor superintendente do instituto, Guilherme Ary Plonski. Com Plonski, assumiram Alberto Pereira de Castro, como presidente; Francisco Romeu Landi, como vice, e Francisco Emilio Baccaro Nigro, como diretor técnico, José Geraldo de Lima Júnior, diretor financeiro, e Fábio Luiz Mariotto, do planejamento, tomaram posse, mas não exercerão as funções, alegando motivos pessoais. (Gazeta Mercantil, 14/8) JC E-Mail