Notícia

Jornal da USP online

O livro como objeto de pesquisa

Publicado em 16 junho 2015

Por André Meirelles

Em 2010, professores do curso de Editoração da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP resolveram criar um grupo que promovesse atividades e estudos na área da editoração. Com a ajuda da professora Sandra Reimão, da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) da USP, estava fundado o Núcleo de Estudo do Livro e da Edição (Nele), um espaço de realização e disseminação de pesquisas sobre a história do livro e da edição no Brasil.

Com cinco anos completos, o núcleo vem se consolidando e criando novas plataformas. Em maio, o Nele promoveu o seminário Da Economia do Texto às Modalidades Editoriais, na Livraria João Alexandre Barbosa do Complexo Brasiliana, na Cidade Universitária. Na abertura do encontro foi lançado o site oficial do núcleo (www.usp.br/nele).

O objetivo do portal é abrigar pesquisas feitas na área de produção editorial, bem como divulgar os eventos promovidos pelo núcleo. Ele adquire o mesmo papel do núcleo, de ser uma ponte com o público externo. “Nossas pesquisas e aquilo que desenvolvemos em sala de aula podem ser passados para a sociedade, sejam profissionais do livro, sejam amadores, amantes, interessados ou curiosos pelo tema, em outros espaços da USP e fora dela”, afirma a professora Marisa Midori Deaecto, coordenadora adjunta do núcleo. Aos poucos, a ideia é que ele se torne uma grande fonte de estudos do livro e da editoração.

Como exemplo dos trabalhos à disposição dos internautas está uma pesquisa da professora Marisa sobre catálogos da Livraria Garraux, inaugurada no final da década de 1850 em São Paulo e fechada em 1935. Por serem produzidos em Paris, os catálogos eram de difícil acesso a quem estava no Brasil. Marisa conseguiu esses documentos e, graças ao portal do Nele, pôde compartilhá-los. “Como tive apoio da USP e da Fapesp, quero tornar isso público e permitir que outros pesquisadores usem esses catálogos. O site aparece agora como uma abertura de horizonte. Um pesquisador de qualquer lugar do mundo pode entrar e ter acesso àquilo que eu demorei meses para descobrir.”

“O núcleo é para dar vida ao livro”, resume Plinio Martins Filho, professor de Editoração da ECA, presidente da Editora da USP (Edusp) e coordenador do Nele. Ligado à Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária, ele é composto por pesquisadores e professores de instituições nacionais e internacionais. “Com o que nós fazemos no nosso dia a dia, em termos de pesquisa e docência, nós criamos sempre publicações, encontros, palestras, conversas, e levamos isso para a sociedade. Essa é a nossa missão primordial”, diz a professora Marisa. Dessa forma, acrescenta, o projeto representa um importante meio de extensão universitária, visto que procura levar para fora da USP os conhecimentos produzidos na academia.

Atualmente, o Nele possui quatro grandes áreas de estudo, cada uma delas coordenada por um professor. Essas áreas são as seguintes: Bibliografia Brasileira sobre Livro e Edição (coordenada por Plinio Martins Filho), Memória da Edição e do Livro Popular no Brasil (coordenada por Jerusa Pires Ferreira), Livro e Censura no Brasil (coordenada por Sandra Reimão) e História das Práticas Editoriais e da Leitura no Brasil (coordenada por Marisa Midori Deaecto).

O também professor de Editoração da ECA José de Paula Ramos Júnior faz pesquisas na área da edótica ou crítica textual, ligada à área de Bibliografia Brasileira sobre Livro e Edição: “A edótica fornece a metodologia para o estabelecimento fidedigno de textos literários, como obras de arte. É um trabalho um pouco arqueológico, de restauração, sobretudo de textos mais antigos, mas também da tradição mais recente”.

Revista – Um dos frutos do núcleo é a publicação anual da revista Livro. Com textos e depoimentos de pesquisadores de vários países, a revista é um espaço para reflexão, debate e difusão de estudos a respeito do livro em todas as suas dimensões. Segundo Marisa, a proposta é que ela fale do livro como objeto, não apenas do texto. Este ano, o grupo vai publicar a quinta edição.

Entre as editorias da revista está Conversas de Livrarias, em que professores, intelectuais e escritores escrevem sobre suas experiências nas livrarias. A edição mais recente teve textos de Rubens Borba de Moraes e Ubiratan Machado. Também há a editoria Leituras, que possui uma seção com artigos acadêmicos de professores do Brasil e de outros países. O visual da publicação é uma atração à parte: em cada edição, um artista é convidado para expressar sua arte – pintura, gravura, fotografia etc. – na capa e nas páginas internas, sempre com a temática do livro.

“É um espaço para quem escreve pelo prazer, e não em busca de reconhecimento de currículo”, afirma Martins Filho. Segundo o professor, a publicação é fruto de uma ação entre amigos e todas as contribuições são espontâneas e gratuitas. O projeto gráfico e a impressão, por exemplo, são produzidos por um ex-aluno da USP.

Com o desenvolvimento do núcleo, espera-se obter um impacto importante no quadro de docentes de Editoração. Marisa ressalta o fato de a USP oferecer o único curso público da área em uma região com grande demanda de profissionais. “Com a consolidação do Nele, estamos amadurecendo também o corpo docente do curso de Editoração e a possibilidade de existir um curso profissionalizante, aqui na USP, focado na editoração”, conclui.