Notícia

NE10

O custo de produção das universidades de alguns países

Publicado em 03 setembro 2013

Por Por Marcelo S. Alencar

Por Marcelo S. Alencar

Uma análise mais detalhada do SIR World Report 2013, produzido pela SCImago Institutions Rankings, que trata da produção científica de instituições de ensino superior, relativa aos trabalhos científicos indexados na base de dados Scopus, da editora Elsevier, revela um lado diferente do financiamento à pesquisa, aquele do custo da produção, um indicador mais usado na indústria.

Considerando a produção por pesquisador no período de 2007 a 2011, o índice da primeira colocada na relação, a Universidade de Harvard, seria de 38,32 artigos, o que dá 7,66 por ano. Entretanto contando os professores ligados a hospitais, o índice cai para 6,65 artigos por autor no período ou uma produtividade de 1,33 artigos por ano por pesquisador.    

Por outro lado, o custo de cada publicação, considerando apenas o orçamento da instituição, seria de US$ 230 mil por artigo publicado ao ano. Mas, se o total de recursos alocados para a universidade for considerado, o custo chega a incríveis US$ 2,2 milhões por publicação científica por ano.

A Universidade de Toronto aparece em terceira posição, com 48.944 produções científicas. Ela foi criada em 1827, tem três campi, um total de 80.899 estudantes e conta com 11.581 professores. O orçamento da universidade para o ano de 2013 é de US$ 1,9 bilhão, com uma receita adicional para pesquisa e outras atividades de mais de US$ 1,5 bilhão, o que totaliza US$ 3,4 bilhões em receitas.   

O custo de publicação na universidade canadense é de US$ 195 mil por artigo publicado, considerando apenas o orçamento oficial, e sobe para US$ 345 mil, se forem levadas em conta as verbas de pesquisa. O índice de publicação científica por pesquisador é 0,84, um pouco menor que o de Harvard, mas a um custo muito menor para o contribuinte.   

A Universidade de São Paulo, criada em 1934, tem seis campi, um total de 92.064 alunos matriculados, e conta com 5.860 professores, com uma produção científica de 48.156. A dotação total da USP é de US$ 1,25 bilhão. Entretanto a USP ainda recebe US$ 917 milhões em recursos adicionais da Fapesp e uma fração não inferior a 40% do total investido pelo CNPq e Capes em todo o País, que resulta em mais US$ 750 milhões. Portanto, o total de recursos destinados à USP excede US$ 2,9 bilhões, para o dólar cotado a R$ 2,40.

O índice de produção per capita da USP é 1,64, acima tanto de Harvard quando de Toronto, e o custo de produção é US$ 130 mil por artigo publicado, considerando apenas o orçamento oficial, mais baixo que as despesas de Harvard e de Toronto. Adicionando as verbas de pesquisa, o custo sobe para US$ 300 mil, menos do que se investe na  Universidade de Toronto, e bem abaixo do que a sociedade americana coloca em Harvard.  

*As colunas assinadas não refletem, necessariamente, a opinião do NE10