Notícia

Jornal da Unesp

O conhecimento sem fronteiras

Publicado em 01 março 1999

Por EVANILDO DA SILVEIRA
Com a marcha acelerada da globalização e das novas formas de comunicação, como a Internet, o quadro negro começa a perder a exclusividade como símbolo de uma sala de aula. Um novo equipamento, muito menor, de uso individual, mas infinitamente mais ágil e dotado de um inesgotável arsenal de recursos, está tomando o seu lugar. E o computador, que está tornando possível o ensino a distância e dispensando a presença física dos estudantes nas salas de aula. Depois de cinco anos de estudos, a UNESP está prestes a entrar nessa nova era - a da universidade virtual. Em fevereiro último, ficou pronto o projeto Educaçãoa Distância na UNESP, que, no final do mesmo mês, foi entregue pelo reitor, Antônio Manoel dos Santos Silva, e pela pró-reitora de Graduação, Maria Aparecida Viggiani Bicudo, à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) para ser analisado. A Universidade está pleiteando um financiamento de R$ 2,5 milhões para colocar em prática o projeto. Se for aprovado pela Fapesp, deverá estar em pleno funcionamento daqui a um ano, com todos os alunos da Graduação tendo cursos de Inglês, Português e Informática por meio de recursos multimídia, entre os quais a Internet. Segundo Maria Bicudo, 32 professores de seis câmpus estarão envolvidos no ensino virtual na UNESP. São pesquisadores dos câmpus de Assis, Araraquara, São José do Rio Preto, Bauru, Rio Claro e Marília, que trabalham com informática, comunicação, português e inglês. "Além de criar esses cursos, o projeto tem outro objetivo", explica a pró-reitora Maria Bicudo. "Ensinar nossos docentes a ensinar a distância." Embora o ensino a distância ainda não esteja institucionalizado na UNESP, há vários docentes que, por iniciativa própria, mas com o apoio da Universidade, já estão ministrando ou elaborando cursos virtuais. Entre eles, estão, por exemplo, o filósofo Paulo Ghiraldelli, do Departamento de Administração e Supervisão Escolar da Faculdade de Filosofia e Ciências (FFC), câmpus de Marília; a engenheira cartográfica Arlete Meneguette, do Departamento de Cartografia da Faculdade de Ciências e Tecnologia, da UNESP de Presidente Prudente; o engenheiro Ubirajara Ferreira, do Departamento de Produção da Faculdade de Engenharia, de Guaratinguetá; e o engenheiro Eduardo Martins Morgado, do Departamento de Computação da Faculdade de Ciências, câmpus de Bauru. METAFILOSOFIA O curso de Ghiraldelli, O que é a Filosofia da Educação? - uma discussão metafilosófica, começa em março. É composto de 14 lições, escritas por Ghiraldelli, com links (veja glossário) para pesquisas na Internet. "A Rede conta hoje com boas enciclopédias de filosofia, bons sites e muitos textos clássicos", diz Ghiraldelli. "O aluno tem acesso às lições, estuda e tira dúvidas com o professor virtual via correio eletrônico ou via ICQ - sigla derivativa da expressão inglesa i seek you, que significa "procurando você". O curso também possui um banco de textos traduzidos." Ghiraldelli conseguiu um registro de domínio próprio parasite pela Fapesp. O site estará no ar a partir de março, no endereço http://www.filosofia.pro.br. "Ele se chamará Filosofia & Filosofia da Educação e funcionará como um programa de educação a distância, inclusive com um audiovisual ao vivo, com filósofos convidados", revela o pesquisador. "A idéia é, no futuro, tentar expandir e integrar outros professores, principalmente amigos estrangeiros." O contato virtual não será a única fôrma pela qual os alunos receberão as lições no curso de Filosofia. Eles também terão aulas ao vivo, nas salas da pós-graduação em Educação da FFC. O número de vagas é ilimitado, pois como é um curso de pós-graduação, Ghiraldelli acredita que não poderá ser acompanhado por muitas pessoas. "Selecionaremos os interessados", diz o pesquisador. O Curso on line de geoprocessamento, da engenheira cartográfica Arlete, está mais adiantado. As aulas da primeira turma começaram em 21 de outubro do ano passado e os alunos já estão finalizando seus trabalhos. O curso é oferecido por meio da universidade virtual, dentro de um projeto implementado pelo Colégio Albert Einstein, de Osasco. "O objetivo é oferecer subsídios voltados ao desenvolvimento e uso das geotecnologias", explica Arlete. "Geoprocessamento é uma área nova de conhecimento, que envolve o desenvolvimento e o uso de sistemas voltados à aquisição, análise, armazenamento e apresentação de informações sobre a Terra obtidas do espaço." PROTÓTIPO PRESENCIAL Além das aulas virtuais, os alunos terão ainda uma extensa lista de referências bibliográficas para consulta, pesquisa e leitura complementar. "Haverá uma relação de links para outros sites à disposição daqueles que desejarem se aprofundar nos diversos tópicos. O tempo de duração do curso será de 40 horas-aula (oito semanas). Os únicos requisitos são ter mais de 18 anos e possuir um endereço eletrônico (e-mail). O tema do curso, que será dado, em abril pelo engenheiro Morgado e por um grupo de pesquisadores dos Departamentos de Computação e Matemática, da FC de Bauru, será diferente. "Daremos um curso de extensão sobre a utilização da Internet como ferramenta de apoio ao processo de ensino", explica Morgado. "Ele será modular e eqüivalerá a 60 horas-aula presenciais." Para poder oferecer um curso de qualidade, a equipe da FC de Bauru se preparou bem. "Dedicamos 1998 ao treinamento, testes e montagem da infra-estrutura tecnológica", revela Morgado. "Fizemos uma especialização a distância junto ao Center of Advanced Educational Services (CAES), do Massachusetts Institute of Tecnology (MIT), dos Estados Unidos, sobre o desenvolvimento de programas baseados na Internet." Foi ainda montado um laboratório, composto de servidores de arquivos (servidores de cursos), e realizada uma parceria com o College of Education da University of Geórgia, Estados Unidos, por meio da qual já receberam um professor palestrante. Ao final de 98, realizaram um curso protótipo presencial sobre a montagem de cursos a distância, que está servindo de subsídio para a montagem do primeiro grupo realmente a distância. O Laboratório de Gestão, do Departamento de Produção da Faculdade de Engenharia do câmpus da UNESP de Guaratinguetá (FEG), é outro que está planejando um curso de ensino a distância. O laboratório oferecerá, de março a junho deste ano, o curso Organização e Gestão da Inovação Tecnológica, desenvolvido pelo Centro de Estúdios de Postgrado de Administración de Empresas da Universidad Politécnica (CEPADE), de Madri. Neste caso, a Internet também servirá para distribuição do material didático em espanhol, tutorias e avaliações. Promoverá encontros com especialistas e será encerrado com uma aula e exame final presenciais. De acordo com o coordenador do Laboratório de Gestão, Ubirajara Ferreira, o curso tem por objetivo dar uma resposta mais rápida aos desafios e ao avanço acelerado do conhecimento, tanto na área científica como na área tecnológica, buscando uma inter-relação entre formação, pesquisa e inovação tecnológica. "O Cepade e o Laboratório de Gestão trabalham em estreita articulação com a realidade empresarial", explica Ferreira. "Isso, aliado à competência técnica de seus docentes e ao prestígio da Universidade Politécnica de Madri e da UNESP, garante aos participantes a qualidade e o reconhecimento profissional de seus títulos." O curso, com carga horária de 40 horas-aula e 40 vagas, é destinado a professores, pesquisadores e estudantes de pós-graduação da área de política e gestão tecnológica; gerentes e técnicos das áreas de planejamento e desenvolvimento, produção, projetos, marketing e finanças de empresas públicas ou privadas; dirigentes e técnicos de instituições do sistema de inovação; e representantes de agências governamentais. Para participar do curso, os candidatos precisam ter nível superior, entendimento da língua espanhola, habilidade no uso da Internet e pagar uma taxa de R$ 400,00. Os pesquisadores que saíram na frente, no ensino a distância, vêem muitas vantagens nos cursos virtuais. Citam a universalização das oportunidades de aprendizado, a facilidade de acesso on line à informação atualizada, a possibilidade de estabelecer contato com seus pares em outras cidades ou países e o conforto de poder desenvolver as atividades sem necessidade de deslocamento. Nem tudo no mundo virtual, porém, são vantagens. O ensino a distância tem lá suas desvantagens - ou desafios - a serem superadas. "É necessário ser disciplinado, autônomo e independente, quer dizer, ter "aprendido a aprender' por conta própria", diz Arlete. "As metodologias atuais exigem que o aluno seja muito motivado, e o sucesso do curso depende muito dele", completa Morgado. Há ainda outros problemas. Pesquisas internacionais indicam que a redução de custos ainda não é uma realidade. São necessários enormes investimentos em preparação de material e no treinamento de professores. De qualquer forma, as pessoas envolvidas com ensino a distância acreditam que é importante que as universidades invistam nessa área para desenvolver métodos, estratégias e recursos que resolvam os desafios e eliminem, ou pelo menos diminuam, as desvantagens. "A universidade virtual é uma alternativa para que todos os cidadãos possam participar não só da reconstrução contínua do conhecimento, mas também da sua disseminação", diz Arlete. "É preciso estimular as novas iniciativas, para que um maior número de pessoas atualize ou complemente seus conhecimentos, formando uma grande rede de pessoas e sistemas que troquem experiências, vivências e artefatos culturais." EXPERIÊNCIAS BRASILEIRAS, DE OLHO NO FUTURO Embora as iniciativas com ensino a distância, no Brasil, ainda sejam poucas, se comparadas com as dos países desenvolvidos, elas já começam a pipocar por aqui. Uma das primeiras foi a Escola do Futuro, da USP (www.futuro.usp.br), que surgiu em 1988. A Universidade Federal de Santa Catarina (www.ufsc.br) é outra instituição que já tem montado o seu Laboratório de Ensino a Distância, dentro do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção. Assim como USP e UFSC, a Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) também aderiu ao ensino a distância e criou a Coordenação Geral de Especialização, Aperfeiçoamento e Extensão (Cogeae - www.cogeae.pucsp.br). Dentre todas, no entanto, a mais avançada talvez seja a Universidade de Brasília (UnB), que, desde março do ano passado, tem em funcionamento a Universidade Virtual, que oferece cursos em diversas áreas do conhecimento. A iniciativa mais recente da UnB foi a criação de um consórcio de sete universidades públicas do Centro-Oeste, que formaram a Universidade Virtual do Centro-Oeste, a Univir-CO (www.universidadevirtual.br), que vai oferecer, a partir de abril, cursos de extensão a distância via Internet. "A educação a distância é indispensável num país com as dimensões do Brasil", declarou o reitor da UnB, Lauro Morhy, ao lançar a Univir-CO, no dia 23 de fevereiro passado. Fazem parte desse consórcio, além da UnB, as universidades federais de Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul e as estaduais de Anápolis, GO; Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. A informatização do ensino também está caminhando em nível federal. O Programa Nacional de Informática na Educação (Proinfo), que estimava, em sua primeira etapa, o biênio 1997/98, a aquisição de 100 mil microcomputadores para serem distribuídos nas escolas públicas de ensino médio e fundamental dos 27 Estados da federação, prevê, por enquanto, apenas a instalação de 3 mil. SERVIÇO Endereços eletrônicos para contato e informações: Paulo Ghiraldelli: paulo@sunline.com.br Ubirajara Ferreira Jr.: labgestao@feg.unesp.br ou dpd@feg.unesp.br Arlete Meneguette: arlete@prudente.unesp.br Eduardo Martins Morgado: emorgado@seed.mec.gov.br GLOSSÁRIO E-mail - Correio eletrônico. Sistema de correspondência via Internet. Hipertexto - Texto que inclui links ou atalhos para outros documentos. Permite que o leitor pule livremente de um texto para outro. ICQ - Sigla derivativa da expressão inglesa i seek you, que significa procurando você. Desenvolvido por uma empresa israelense, e um dos programas mais populares da Internet. Permite encontrar pessoas conectadas em tempo real e manter conversas (escritas), desde que as duas pessoas tenham o programa instalado no computador. Link - São palavras chaves destacadas - geralmente sublinhadas e em outra cor - em um texto, que, quando clicadas remetem o usuário para o assunto desejado, em outro arquivo ou servidor Site (instalação) - Uma instituição onde computadores são instalados e operados. Pode ser acessado remotamente, de outro computador, desde que se conheça seu endereço eletrônico. WWW - World Wide Web ou simplesmente Web. Meta-rede, baseada em hipertexto, que integra diversos serviços da Internet por meio de uma interface que possibilita o acesso a informações multimídia.