Notícia

Gazeta Mercantil

O caldo de cultura da alta tecnologia

Publicado em 06 abril 1997

Por John Micklethwait - The Economist
Pode-se chamar de "destruição criativa" ou de "reciclagem flexível", mas a idéia básica de um dos fundamentos do sucesso do Vale do Silício é a mesma: empresas antigas morrem e novas surgem. O processo permite a movimentação de capital, idéias e pessoas. Mas há outros fatores, mais importantes do que os econômicos ou tecnológicos, que ajudam a explicar por que essa concentração de empresas de alta tecnologia se tornou capaz de exportar US$ 40 bilhões anuais. Coisas como disposição para correr riscos, entusiasmo por mudanças, variedade de forma e tamanho das empresas e uma mistura de individualismo e colaboração. Esses fatores são o tema do segundo artigo de uma série de seis, que continuamos a publicar.