Notícia

Revide Vip online

O Brasil fugiu da escola

Publicado em 06 dezembro 2011

Livro do Prof. Dr. Sérgio Kodato, avalia Educação na atualidade e propõe mudanças na forma de pensar e agir a Educação no futuro

Na última sexta-feira o mestre e doutor em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano, professor do campus da USP de Ribeirão Preto e coordenador do Observatório de Violência e Práticas Exemplares de Ribeirão Preto, Sérgio Kodato, lançou na Livraria Paraler no RibeirãoShopping, o livro "O Brasil Fugiu da Escola - Motivação, criatividade e sentido para a vida escolar".

Acompanhe, a seguir, uma rápida entrevista do portal da Revide com o autor.

Qual foi o ponto de partida para a escrita de "O Brasil Fugiu da Escola"? Aliás, bastante sugestivo o título do livro, não?

Um grupo de 30 professores de escolas públicas desenvolvendo pesquisas sobre a violência nas escolas, subsidiados pela FAPESP e reunidos em torno do Observatório de Violência, durante 4 anos, de 2005 a 2009. O título remete a pergunta; que País é esse que se enfronha na escola?

O que o leitor pode esperar da leitura da obra?

Nós queremos colocar em discussão o Sentido de Ser Professor e da Educação nos dias atuais e oferecer propostas de intervenção em sala de aula, no sentido do controle ativo da indisciplina.

Há esperança de mudança da situação "negra" pintada para a Educação pública no Brasil?

O exemplo dos países asiáticos, como Corea, Cingapura, China, mostra que se priorizarmos a educação com investimentos maciços em tecnologia educacional, salários e formação de professores é possível alavancar o progresso econômico social e mudar a cara do país. Os professores pesquisadores constataram as salas de aula e professores abandonados pelo poder público e sociedade civil.

Como é possível ser criativo, motivado e encontrar sentido para o exercício de uma profissão tão desrespeitada e desvalorizada?

Com ciência, arte, teconologia e ética é possível praticar um ensino de qualidade em sala de aula, reencantar os alunos com o conhecimento e com o sentido da escola. Descobrimos que criatividade, motivação e sentido não se adquirem no consultório terapêutico e sim na pesquisa científica, na arte-educação e no ensino multi-mídia.

Com sua experiência, qual avalia ser a atitude mais nociva dos pais, dos alunos e dos professores na relação de Educação Formal?

Olhar para o filho ou aluno como incapaz, imprestável, burro, todo pai e professor deve olhar o educando com olhar de encanto querendo mostrar-lhe o mundo e desenvolver ao máximo seus potenciais.

Descreva seu trabalho como coordenador do Observatório de Violência e Práticas Exemplares de Ribeirão Preto.

Eu ministro uma disciplina na Pós-graduação denominada "Violência Institucional: Análise e Intervenção", realizo pesquisas em violência, ministro palestras, coordeno um grupo de 10 professores que desenvolvem ações de prevenção de violência nas escolas, oriento mestrandos, doutorandos e alunos de iniciação científica, escrevo artigos científicos e auxilio a imprensa e a mídia na interpretação e análise das estatísticas de violência e fenômenos de agressividade, bullying, violência doméstica, urbana, etc.

Confira fotos da noite do lançamento

Publicado em 06/12/2011